Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

Marisa Monte homenageia Rita Lee em show com Roberto de Carvalho

O viúvo da roqueira, que não tocava ao vivo há mais de dez anos, fez participação especial em show no Primavera Sound

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Thiago Gelli
Atualizado em 3 dez 2023, 01h07 - Publicado em 3 dez 2023, 00h59

Apesar de grandes atrações internacionais como Pet Shop Boys e The Killers, o primeiro dia do festival Primavera Sound, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo, foi marcado pelos brasileiros, com uma apresentação divertidíssima da banda Cansei de Ser Sexy e do retorno para lá de especial no show de Marisa Monte do guitarrista Roberto de Carvalho, parceiro musical e viúvo de Rita Lee, morta em 8 de maio deste ano. Esta é a primeira vez em mais de dez anos que o músico toca ao vivo em um grande show, desde que ele e Rita Lee se aposentaram dos palcos lá em 2012.

Marisa Monte fez uma das melhores apresentações da noite, com um repertório repleto de hits de sua nova turnê, Portas, inclusive com a música Ainda Lembro, clássico que ela não tocava há anos ao vivo. Mas foi no final que a apresentação ganhou ares históricos, quando ela chamou ao palco Roberto de Carvalho. Juntos eles apresentaram três músicas: Doce Vampiro e Mania de Você, do repertório de Rita, e Já Sei Namorar, dos Tribalistas. Visivelmente emocionado, Roberto, no entanto, não falou com o público. Marisa estava, mais uma vez, acompanhada da sua competente banda, com Chico Brown (baixo, teclado e guitarra), Dadi (baixo, teclado e guitarra), Davi Moraes (guitarra), Pupillo (bateria), Pretinho da Serrinha (percussão, cavaquinho e voz), Antonio Neves (arranjo dos metais e trombone), Eduardo Santana (trompete e flugelhorn) e Oswaldo Lessa (saxofone e flauta).

Continua após a publicidade
View this post on Instagram

A post shared by Roberto de Carvalho (@roberto_de_carvalho)

View this post on Instagram

A post shared by Marisa Monte (@marisamonte)

View this post on Instagram

A post shared by Primavera Sound São Paulo (@primaverasound.saopaulo)

A principal atração da noite, a banda The Killers também empolgou o público, com um show poderoso e hits como Mr. Brightside, Human Electro, Somebody Told Me, Runaways e When You Were Young. Esta é a segunda vez que a banda volta ao país em pouco mais de um ano e o vocalista Brandon Flowers fez questão de agradecer. “Hoje é o nosso último show de 2023 e nós vamos tocar como se fosse o nosso último show no planeta Terra.”

Continua após a publicidade

Cansei de Ser Sexy e Pet Shop Boys

Surgida na capital paulista há 20 anos, a banda Cansei de Ser Sexy foi alçada a sucesso internacional graças ao carisma de suas composições que encapsulavam a juventude da cidade, suas batidas de rock eletrônico e o estilo ímpar da vocalista, Luísa Matsushita: a Lovefoxx. Ao lado de integrantes da formação original e novos rostos, ela entoou sucessos como Alala, City Grrl e Music is My Hot Hot Sex entre trocas de figurino performáticas, passos improvisados de samba e uma miríade de memes contemporâneos exibidos em montagens dinâmicas no telão do palco, que complementam os ares de arte pop característicos da banda. Ofegante devido ao calor, Luísa agradeceu o carinho do público e ainda o chamou de sortudo — segundo ela, a energia contagiante do espetáculo tinha motivo: todas as integrantes estavam simultaneamente no período fértil. Se por acaso de suas agendas, pela espera de 4 anos desde a última apresentação do grupo ou outra razão, os 50 minutos de CSS ofereceram energia o suficiente para o dia inteiro de Primavera Sound.

Uma hora e meia depois de Lovefoxx e companhia, Neil Tennant e Chris Lowe — os icônicos rapazes de West End, ou Pet Shop Boys —, assumiram controle do Palco Barcelona. Ao longo de um set de 90 minutos, a dupla teceu um panorama de sua carreira a partir dos idos de 1986, quando estrearam o disco Please e chegaram às paradas britânicas com o hit Suburbia. Acompanhados por um show de luz, postes cenográficos, telas suspensas e uma banda de apoio, Tennant e Lowe amplificaram o caráter operístico de sua obra, repleta de canções narrativas como Can You Forgive Her? e hinos catárticos como It’s A Sin. Pioneiros na representatividade LGBT+ dentro da indústria musical do Reino Unido, o duo encerrou sua apresentação com Being Boring, faixa que tanto lamenta a juventude perdida entre as décadas de 1970 e 1990, quanto comemora seus feitos artísticos e sua aversão à chatice — qualidade que ambos, felizmente, mantêm até hoje.

Com uma disposição de palcos equilibrada e um público não tão grande (cerca de 50.000 pessoas segundo os organizadores), o Primavera Sound se mostrou neste primeiro dia um ambiente super tranquilo para assistir aos seus shows favoritos, sem muitas filas para comer ou ir ao banheiro e com água potável distribuída gratuitamente na entrada e em postos de hidratação dentro do festival, medida importante já que neste sábado os ponteiros chegaram a marcar mais de 30 graus.

O festival continua neste domingo, 3, com shows de Carly Rae Jepsen, Marina Sena, Beck, Bad Religion e The Cure.

Continua após a publicidade
View this post on Instagram

A post shared by Primavera Sound São Paulo (@primaverasound.saopaulo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.