Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

Bomba musical: Sting usa canção ‘Russians’ contra Putin

Letra do cantor inglês que criticava a Guerra Fria entre EUA e União Soviética voltou a ser relevante, quem diria, com a guerra da Ucrânia

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 7 mar 2022, 17h56 - Publicado em 7 mar 2022, 17h48

Se tem uma coisa que chega próxima da paixão dos russos por vodca é o fanatismo deles pelo britânico Sting. O ex-baixista do The Police é um dos poucos artistas estrangeiros capazes de unir três gerações do país de Vladimir Putin com o mesmo furor na plateia. Exemplo máximo disso ocorreu em junho de 2011, durante a abertura do Fórum Econômico Internacional, quando Sting praticamente parou São Petersburgo em um show gratuito na Praça do Palácio, em frente ao imponente Museu Hermitage, ocasião em que foi acompanhado por uma orquestra sinfônica regida por Sarah Hicks. Na época, Sting brindou o público com 23 canções, entre elas a icônica Russians, composta em 1985 para seu álbum solo de estreia, The Dream of The Blue Turtles.

Até pouco tempo atrás, a letra de Russians soava apenas como aquilo que foi na origem: um dos tantos comentários da música pop e do rock sobre a Guerra Fria, então a pleno vapor naquela altura dos anos 1980. Mas a guerra da Ucrânia conferiu uma nova forma de atualidade à canção, 37 anos depois de composta. Logo nas primeiras estrofes da politizada letra, Sting entoava: “Há um sentimento crescente de histeria na Europa e na América / condicionado para responder a todas as ameaças / Nos discursos retóricos dos soviéticos / Senhor Kruschev disse: ‘Nós vamos enterrá-los’.” Troque-se o decrépito  líder soviético por Putin, e pronto.

Em um vídeo postado no Instagram no domingo, 6, Sting voltou a interpretar a canção, dessa vez em solidariedade aos ucranianos. No vídeo, o cantor diz que raramente precisou cantá-la desde que foi composta. “Nunca imaginei que ela fosse ser relevante novamente”, afirmou. “Mas, à luz da decisão sangrenta e lamentavelmente equivocada de um homem de invadir um vizinho pacífico e não ameaçador, a música é, mais uma vez, um apelo por nossa humanidade comum”, completou.

Continua após a publicidade

Na legenda do vídeo, que já tem 1,5 milhão de visualizações, o cantor a dedicou aos “bravos ucranianos que lutam contra essa tirania brutal e também para os muitos russos que estão protestando contra essa indignação apesar da ameaça de prisão”.

Sting não é o primeiro roqueiro a apoiar a Ucrânia desde que a Rússia invadiu o país. Brian May, do Queen, disse estar “chocado, horrorizado e triste”. E David Gilmour apelou aos soldados russos: “Parem de matar seus irmãos. Não haverá vencedores nesta guerra”.

View this post on Instagram

A post shared by STING (@theofficialsting)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.