Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

A grande banda de rock que guardou segredo sobre câncer de seu baterista

A notícia da morte de integrante do Rush, em 2020, pegou os fãs de surpresa, mas luta contra a doença já era compartilhada com os colegas fazia três anos

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 19 abr 2022, 12h34

Quando a banda canadense Rush revelou, em janeiro de 2020, que o baterista Neil Peart havia morrido em decorrência de um câncer no cérebro, os fãs ficaram chocados com o anúncio repentino. A notícia da doença devastadora, no entanto, era compartilhada com os colegas de banda, Geddy Lee e Alex Lifeson. Em uma recente entrevista ao programa canadense House of Strombo, a dupla relembrou dos derradeiros momentos de Peart, e aproveitou para fazer um mea culpa, dizendo que precisaram ser “desonestos” com os fãs para proteger a privacidade do baterista.

Segundo os músicos, Peart enfrentou por três anos o gliobastoma – uma forma agressiva de câncer no cérebro – e não queria que ninguém soubesse. “Ele queria manter privado. E nós fizemos isso. Foi difícil. Não posso dizer que foi fácil, porque não foi. O diagnóstico dizia que ele teria, no máximo, 18 meses. Durou três anos e meio. Foi um fluxo constante de visitas para lhe dar apoio”, disse Geddy Lee.

“As pessoas ouviam rumores e perguntavam as coisas para mim. Então, eu desviava o assunto. Isso parecia, por um lado, ser desonesto. Por outro lado, eu estava sendo leal ao meu amigo. Então, dane-se a parte da desonestidade. Isso vence. Eu diria que esse foi o momento mais difícil para seguirmos durante toda aquela coisa. Estávamos nessa bolha de tristeza caminhando em direção a uma conclusão inevitável e terrível”, completou o vocalista.

Lee contou ainda que trabalhou muito para fazer a turnê de 40 anos da banda. “Eu queria levar para a Europa para tocar para nossos fãs europeus. Queria levar para a América do Sul. E isso não aconteceu”. O guitarrista Alex Lifeson completou: “Achei que estávamos tocando muito, muito bem. Provavelmente teríamos condições para outros 30 shows. Mas estava se tornando muito difícil para Neil tocar nesse nível. E, a menos que ele pudesse tocar 100% nesse nível, ele não queria mais fazer shows”, afirmou.

Continua após a publicidade

A dupla confirmou que a Rush acabou e não vai mais fazer shows. Desde então, Lifeson formou o projeto Envy of None, que lançou recentemente seu álbum de estreia.

Assista a entrevista completa:

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.