Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Sob o império do pânico (por Gaudêncio Torquato)

Instala-se uma cadeia de eventos e situações inesperadas

Por Gaudêncio Torquato Atualizado em 30 jul 2020, 19h06 - Publicado em 15 mar 2020, 10h01

A vida é um eterno recomeço. Fosse escolher uma lenda semelhante à sua vida, provavelmente o brasileiro escolheria a de Sísifo, o solerte e audacioso rei de Corinto que se livrou da morte por duas vezes, sempre blefando. Não cumpria a palavra, até que Tânatos veio buscá-lo em definitivo. Como castigo, foi condenado a rolar montanha acima um grande bloco de pedra. Quase chegando ao cume, o bloco desaba montanha abaixo. A maldição de Sísifo é recomeçar, eternamente.

O povo se sente no estado de eterno recomeço. Padece das previsíveis tragédias provocadas pelas chuvas; angustia-se nas filas do INSS; vê o dinheiro sumir com a economia em recuo; e passa a temer agora a foice da morte escondida na forma de coronavírus, que ataca ricos e pobres. O mundo está em pânico. 

Instala-se uma cadeia de eventos e situações inesperadas. Aulas suspensas, diminuição de aglomerados e mobilizações de ruas e ambientes fechados, apesar de grupos com a síndrome do touro (arremetem com a cabeça e pensam com coração) não se incomodarem com isso; isolamento em casa ou em hospitais, semanas perdidas de trabalho; paralisação parcial de setores vitais da produção e dos serviços, perdas monumentais para a economia; débâcle das bolsas mundiais. Só a brasileira já perdeu cerca de um trilhão de reais. A pandemia forma ondas de medo e de fake news. As estruturas de saúde não suportarão as demandas.

Ao fundo, paisagens de destruição, pequenas e grandes catástrofes que se repetem, entre inundações e desabamentos, escândalos envolvendo governantes, políticos e empresários; ameaça de novos impostos; tensões acirradas entre os três Poderes; e, claro, politicagem acentuada em ano eleitoral.

Os efeitos são catastróficos, contaminando a alma nacional e desmanchando o fervor pátrio, aquela chama que Alexis de Tocqueville constatou em seu clássico A Democracia na América: “existe um amor à pátria que tem a sua fonte principal naquele sentimento irrefletido, desinteressado e indefinível que liga o coração do homem aos lugares onde nasceu. Confunde-se esse amor instintivo com o gosto pelos costumes antigos, com o respeito aos mais velhos e a lembrança do passado; aqueles que o experimentam estimam o seu país com o amor que se tem à casa paterna”.

Continua após a publicidade

Que amor à Pátria pode existir em espíritos tomados pelo pavor, pela violência, por balas perdidas e marginalidade comandada de dentro das prisões? Que espírito público pode vingar quando grupos teimam em dividir o país em duas bandas, bradando contra a liberdade de imprensa?

Brasileiros motivados a realizar o sonho de uma vida melhor nos EUA voltam algemados. Amargos, se perguntam: o que fazer? Começar tudo outra vez?

Onde e quando chegaremos à estabilidade e por que essa economia não melhora? Fato: as margens embolsam seu dinheirinho no início de cada mês e ao final contam migalhas. E com esta crise nas bolsas, nem a ilusão de ganho um pouco melhor atrai o poupador.

A economia dá o tom. Consequentemente, sobram poucos recursos para serviços sociais. O processo de reformas nunca termina. Mudanças políticas? Quem sabe? Talvez mais um levante em outubro próximo, parecido com o de 2018.

       

Gaudêncio Torquato é jornalista, professor titular da USP e consultor político

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês