Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Mundialista

Por Vilma Gryzinski Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Rebelde sem causa: Gaetz derrubou presidente da Câmara; e daí?

Briga interna pelo poder prejudica o Partido Republicano exatamente no momento em que deveria se aproveitar das fragilidades dos democratas

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 10 Maio 2024, 08h45 - Publicado em 6 out 2023, 08h17

Não interrompa o inimigo quando ele estiver cometendo um erro. A máxima napoleônica foi estritamente seguida pelo Partido Democrata ao votar por unanimidade com o punhado de sete rebeldes republicanos liderados por Matt Gaetz para derrubar o presidente da Câmara do próprio Partido Republicano, Kevin McCarthy.

Qual o resultado disso? Nada vezes nada para os republicanos. Ao contrário, os rebeldes de Gaetz, ao tentarem se passar por ativistas antissistema, reforçaram a imagem de que o partido é disfuncional, age contra seus próprios interesses e reflete tudo o que há de errado com Washington – a palavra é usada com metáfora da política, da mesma forma que dizemos Brasília, querendo dizer “Brasília”.

Para o eleitor comum, que não fica grudado o dia inteiro no noticiário, é difícil entender o combate narcisista (bem, é um pleonasmo quando envolve políticos) que motivou a queda de McCarthy. Gaetz o acusava de fazer acordos de bastidores com o governo Biden para liberar ajuda à Ucrânia. Deveria ser cumprimentado e não derrubado se isso for verdade.

Transformado em nota de rodapé, o ex-presidente da Câmara, com apenas dez meses no cargo, não era nenhum gênio, mas estava exercendo com competência uma tarefa de bastidores, a arrecadação de fundos. Agora, nem isso sobrou.

“O Partido Republicano deveria expulsar Matt Gaetz”, escreveu Newt Gingrich – na época em que foi presidente da Câmara, nos anos 90, era considerado o mais extremo direitista; hoje, passa por estadista moderado.

Continua após a publicidade

Gingrich chamou Gaetz, um deputado pela Flórida de 41 anos e currículo instável, de “traidor”.

É pesado, mas compreensível. Muitos analistas têm a impressão de que os republicanos estão desperdiçando a chance de explorar a vulnerabilidade de um presidente como Joe Biden, que tem 80 anos e índices de aprovação pouco acima de 40%.

Com toda a rejeição – bipartidária – que o Congresso provoca, na faixa dos 60% da população, os republicanos têm uma enorme vantagem: 53% dos americanos, segundo uma pesquisa Gallup, acham que eles seriam melhores em promover a prosperidade do país nos próximos anos. Apenas 39% escolhem os democratas. Um número maior ainda, na faixa de 57%, acha que os republicanos estão mais bem colocados para proteger o país de ameaças militares e terroristas.

Com uma faca e um queijo desses na mão, os rebeldes sem causa de Gaetz resolveram cravar o instrumento cortante no próprio pé.

Continua após a publicidade

Gaetz se declara um ultratrumpista, mas colegas dessa corrente não votaram pela deposição de McCarthy. O próprio Donald Trump mantém uma posição de ambiguidade, inclusive brincando com a possibilidade de que venha a ser eleito presidente da Câmara (como no caso dos cardeais, que teoricamente não têm de ser do clero, não é preciso ser deputado para ganhar o cargo).

Na média das pesquisas feita pelo RealClear Politics, Trump está com 45,5% das preferências e Biden, com 44,4%. O viés de alta é do ex-presidente, um espanto, considerando-se a quantidade de processos e a combinação de todas as forças do sistema que se articulam contra ele.

Matt Gaetz, com seu estilo histriônico e mercurial, acabou, contraditoriamente, dando um reforço a esse movimento. Um trumpista que prejudica Trump tem uma certa ironia – ou insensatez, um elemento cada vez mais presente na política americana.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.