Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Me Engana que Eu Posto Por Coluna A verdade por trás de manchetes falsas que se espalham pela internet. Editado por João Pedroso de Campos.

Consumo de própolis ajuda a prevenir febre amarela e dengue?

'Dica de saúde' fajuta que circula no WhatsApp afirma que o produto é exalado pelos poros e repele os mosquitos que causam as doenças

Por João Pedroso de Campos Atualizado em 31 jan 2018, 16h06 - Publicado em 30 jan 2018, 21h52

Além da política e do mundo das celebridades, a saúde tem sido um dos assuntos que, lamentavelmente, mais têm ocupado aqueles que inventam notícias falsas e as propagam na internet. Se não faltam blogs de credibilidade duvidosa a alardearem chás e frutas como fontes de cura de doenças, é de se imaginar que a explosão de casos de febre amarela no Brasil seria um prato cheio às mentes férteis que geram desinformação com suas “dicas de saúde”. E assim tem sido.

Circula no WhatsApp uma orientação fajuta sobre como se proteger da febre amarela e da dengue: o consumo diário de própolis. Conforme a lorota, bastariam de três a seis gotas do produto para evitar picadas dos mosquitos que transmitem as doenças.

Reprodução/Reprodução

Em primeiro lugar, ressalte-se que não há uma “epidemia” de febre amarela no país, como diz o boato. Alguns estados brasileiros, como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia, enfrentam surtos da doença e iniciaram campanhas de vacinação. Tire aqui suas dúvidas a respeito da febre amarela.

Sobre o própolis: consumir o produto pode até ter efeitos positivos sobre o sistema imunológico, como mostram alguns estudos, como os do imunologista José Maurício Sforcin, da Universidade Estadual Paulista (Unesp). A informação de que sua absorção pelo corpo ajuda a repelir os mosquitos, no entanto, não tem fundamentação científica alguma.

“É somente boato. Tomar própolis não repele o mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão da dengue, zika, chikungunya e febre amarela em seu ciclo urbano”, diz ao Me Engana que Eu Posto o infectologista Leonardo Weissmann. Ele acrescenta que outros repelentes naturais, tais como citronela, eucalipto, arruda e ervas, “não têm eficácia comprovada e não são recomendados”.

Continua após a publicidade

“Outro mito também difundido é o de que tomar vitaminas do complexo B afastaria mosquitos. Não há comprovação”, informa Weissmann.

Segundo o infectologista, os repelentes mais recomendados são os que contêm os compostos químicos DEET, icaridina e IR3535. “Crianças menores de 6 meses de idade não podem usar repelentes de aplicação direta na pele”, adverte.

Não acredite, portanto, nas “dicas de saúde” passadas irresponsavelmente via WhatsApp e redes sociais. No caso da febre amarela, desinformação e boatos têm gerado pânico na população e agravado o problema.

 

Agora você também pode colaborar com o Me Engana Que eu Posto no combate às notícias mentirosas da internet. Recebeu alguma informação que suspeita – ou tem certeza – ser falsa? Envie para o blog via WhatsApp, no número (11) 9 9967-9374.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês