Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Matheus Leitão

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Projeto que muda CNMP intimida Ministério Público, dizem associações

Para promotores, PEC apoiada pelo presidente da Câmara inviabiliza o livre exercício dos deveres de fiscalização e controle do MP

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 9 out 2021, 16h15

Caso a Câmara dos Deputados aprove a PEC 5, que muda a composição e a forma de escolha do corregedor do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o resultado será “subjugar os órgãos do MP, inviabilizando o livre exercício de seus deveres de fiscalização e controle”, afirmam as associações nacionais dos Membros do Ministério Público (Conamp) e do Ministério Público Militar (ANMPM).

Em nota conjunta divulgada neste sábado, 9, as entidades listam cinco pontos negativos do projeto e afirmam que ele “instaura regime de intimidação e restringe a atuação dos Membros do MP nacional”.

“Se o texto for aprovado como está, os que detêm poder político, além de ter mais poder para intimidar os membros do MP, poderão até mesmo suspender e intervir em investigações gravíssimas”, afirma Manoel Murrieta, presidente da Conamp, que é a maior instituição representativa de membros do Ministério Público na América Latina, com 16 mil associados.

A PEC 5 é uma das prioridades do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que promete colocá-la em votação na próxima semana, apesar do feriado. O texto que vai à votação foi tornado público somente na última semana. Ele aumenta de dois para quatro o número de representantes dos políticos (dois escolhidos pela Câmara e dois pelo Senado) dentro do CNMP, o órgão que pode punir procuradores e promotores.

“Da forma como está, a PEC tem como objetivo mudar a composição do Conselho Nacional do Ministério Público e as disposições constitucionais que dão garantias aos promotores e procuradores de que eles podem trabalhar com liberdade e independência. Esperamos que o Congresso entenda que isso é ruim para o país e corrija o texto”, afirma Murrieta.

Continua após a publicidade

Leia abaixo a íntegra da nota conjunta da Conamp e da ANMPM:

“Cinco razões para dizer NÃO À PEC 5/21

1 – Dados objetivos demonstram que o CNMP, com a atual composição constitucional, não é complacente com o alegado corporativismo, omissão ou induz à impunidade dos Membros do MP. Ao contrário, tem cumprido com rigor suas atribuições; 

2 – As modificações propostas enfraquecem a atuação do MP, sobretudo por afrontar a autonomia e a independência funcional, pilares inamovíveis da Instituição;

Continua após a publicidade

3 – A exclusão de qualquer dos quatro ramos do MPU, como está proposto, à guisa de proporcionar maior controle político do CNMP, compromete a simetria instituída pelo Constituinte em relação aos órgãos de controle de igual estatura e submete as suas decisões a interesses circunstanciais e transitórios;

4 – Instaura regime de intimidação e restringe a atuação dos Membros do MP nacional, sob a insustentável premissa de que o exercício de suas atribuições possa interferir, indevidamente, na ordem publica, na ordem política, na organização interna e na independência das instituições, enquanto, em verdade, cumpre a missão de defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses sociais e individuais;

5 – O resultado a curto e longo prazos será subjugar os órgãos do MP, inviabilizando o livre exercício de seus deveres de fiscalização e controle, bem como a repressão à corrupção, à improbidade, ao crime organizado e à violência contra pessoas vulneráveis.

Manoel Murrieta, presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp)

Continua após a publicidade

Edmar Jorge de Almeida, diretor-presidente da Associação Nacional do Ministério Público Militar (ANMPM)”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.