Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Por que a nova crise entre o STF e o Senado se instalou no país

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
23 nov 2023, 20h00

A reação institucional do Supremo Tribunal Federal após a aprovação da PEC pelo Senado que limita decisões monocráticas na corte foi forte, organizada e colocou o Brasil novamente em uma crise institucional – até porque, a tréplica do presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco, também elevou a temperatura em Brasília. 

Enquanto o presidente do STF, Luís Roberto Barroso, afirmou que “todos os países que viveram retrocesso democrático” viram as mudanças começarem pelas supremas cortes, o decano Gilmar Mendes disse que “é preciso altivez para rechaçar esse tipo de ameaça de maneira muito clara”.

O ministro Alexandre de Moraes – principal alvo do movimento bolsonarista que sempre encampou essa investida contra o Supremo – também não ficou de fora. “Essa Corte não se compõe de covardes e nem de medrosos. O aprimoramento das instituições são importantes, mas não quando escondem insinuações, intimidações e ataques à independência do poder judiciário”.

Barroso fez questão de deixar claro que as decisões do STF dizem respeito a direitos concretos e importantes, contrariando, muitas vezes, os interesses de políticos de vários matizes. Por ser um ministro com histórico de cortesia, gentileza e cuidado com as palavras, o presidente do STF transpareceu, no discurso, a gravidade com que viu a aprovação da PEC.

Somado a isso, Barroso e Gilmar buscaram mostrar, em declarações dadas direto do plenário da corte, que uma PEC com o mesmo teor já havia sido derrotada no Senado há pouco tempo, com origem espúria – manchada pelo bolsonarismo radical e golpista.

Continua após a publicidade

Outro momento de tensão aconteceu quando o decano da corte deu exemplos como o agravamento da crise de segurança no Rio, dizendo que, enquanto os mais diversos problemas do cotidiano brasileiro são esquecidos pelo parlamento, o alvo central é o STF.

As duas coisas – a ligação da PEC com o bolsonarismo e a citação de problemas do cidadão comum – irritaram profundamente Rodrigo Pacheco. Em pronunciamento à imprensa, o senador afirmou que o judiciário não faz parte da “arena política”, não é “intocável”, reclamando de “agressões gratuitas” dos ministros do STF.

No dia 4 de outubro, avisei aos leitores da coluna que apertassem o cinto pois uma nova turbulência institucional se avizinhava no Brasil, após os anos bolsonaristas e o 8 de Janeiro. Hoje, a previsão se confirmou em gênero, número e grau.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.