Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Matheus Leitão

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

O que pode pensar o pai de uma adolescente vacinada? 

Um dia depois da alegria de ver a filha vacinada preciso explicar para ela que não confie no Ministério da Saúde

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 17 set 2021, 12h46 - Publicado em 17 set 2021, 08h29

Tivemos na última quarta-feira, 15, um dia de muita alegria na minha família. Minha filha mais velha, de 15 anos, foi vacinada, algo muito esperado por ela. A menina contava os dias, tentou em várias  tardes ir atrás daquela sobra da vacina. Mas, finalmente, chegou o dia dos adolescentes de 15 anos. Compenetrada, ela ficou na fila com sua carteirinha de vacinação toda preenchida. A mesma que ela tem desde que nasceu. Recebeu os parabéns do resto da família, comemorou nas redes sociais.

Na quinta,16, o Ministério da Saúde surpreendeu todos nós dizendo, em nota técnica, que não recomenda a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos. E o pior, afirmou que a Organização Mundial da Saúde (OMS) também não indica a cobertura vacinal desse grupo. Falou de eventos adversos.

Minha filha teve apenas muito sono, coisa normal em qualquer adolescente. Mas ficou confusa com aquelas notícias. Afinal o Ministério da Saúde mudou de ideia em apenas duas semanas a respeito da vacinação de jovens da sua idade.

Não é verdade que a OMS não indica vacina. A organização apenas defende que a vacina nessa faixa etária não é uma prioridade mundial, já que no mundo há muitos do grupo de risco que ainda não estão vacinados.

O Ministério da Saúde faz confusão deliberada. Tanto que mais tarde se corrigiu, e passou a citar a NHS, o respeitado serviço de saúde inglês. Ao longo do dia, e das entrevistas, foi ficando claro que o médico Marcelo Queiroga estava seguindo a prescrição do capitão Jair Bolsonaro.

Continua após a publicidade

Diante dessa informação confusa, o que pode pensar um pai de adolescente? Muitos outros pais estavam na quarta felizes com a proteção aos seu filhos, e alguns deles estão hoje intranquilos. Significa que os que tomaram vacina com essa idade podem ter algum problema?

Eu vivo no meio da comunicação e sei que não, mas outros pais, com pouco acesso à informação, podem estar nesse momento aflitos. E os jovens que aguardaram naquela imensa fila que minha filha enfrentou, de que forma estão se sentindo agora?

A live do ministro da Saúde à noite com o presidente Bolsonaro foi o horror de sempre, com mais demonstração de subserviência do ministro da Saúde ao presidente. Durante o dia, Queiroga mesmo admitira que tomara a decisão depois de cobrado pelo presidente especificamente sobre os adolescentes. Os conselhos de secretários de saúde de estados e de municípios soltaram nota conjunta criticando a decisão “unilateral e sem respaldo técnico”.

A alegria que sentia toda a família com a vacinação da nossa adolescente foi substituída ontem pela explicação dos pais e dos avós a ela sobre toda a confusão criada pelo próprio Ministério da Saúde. É uma geração que tem enfrentado cedo demais essa enorme distopia.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.