Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O número do Datafolha que é fatal para Jair Bolsonaro

Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 13 jul 2022, 12h39 - Publicado em 3 jul 2022, 10h24

Jair Bolsonaro está totalmente estagnado nas pesquisas de intenção de voto. Aquela reação que ele mostrou no início do ano… cessou. O presidente da República manteve-se parado nos levantamentos nos últimos meses, oscilando apenas dentro da margem de erro.

Cientistas políticos ouvidos pela coluna afirmam que, diante desse quadro, o número que é realmente um complicador para Bolsonaro não é nem a sua intenção de voto, mas a rejeição.

Segundo o último Datafolha, 55% dos brasileiros disseram que não votam no atual mandatário de forma alguma nas eleições de outubro. A rejeição do presidente é ainda mais alta se pegarmos alguns segmentos do eleitorado.

“Bolsonaro é mais rejeitado por desempregados (66% nunca votariam nele), pretos (63%), nordestinos (62%), estudantes (62%), mulheres (61%), católicos (61%), jovens (60%) e os mais pobres (60%)”, afirmou reportagem da Folha.

Com esses altos índices de rejeição, Bolsonaro vê sua reeleição praticamente inviabilizada hoje, a exatos 91 dias (ou 13 semanas) do pleito.

Continua após a publicidade

Por isso, a aprovação da PEC Kamikaze ou a PEC eleitoral na semana passada – medidas desesperadas com distribuição de muito dinheiro público – se tornou a última esperança do presidente de mudar o quadro atual.

A ideia de sua campanha é a de tentar – com a liberação de vários auxílios sociais – diminuir essa resistência a ele – gerada, como já dito neste espaço várias vezes, por sua própria incompetência (entre outras coisas).

A questão é: haverá tempo desse pacote – um verdadeiro vale-tudo eleitoral – virar votos suficientes? Neste momento, a campanha de Bolsonaro só precisa garantir a sua ida ao segundo turno.

É que, de acordo com o próprio Datafolha e outras pesquisas presenciais, se a eleição fosse neste 3 de Julho, Bolsonaro não iria nem ao segundo turno, com vitória acachapante do ex-presidente Lula.

Os 55% de eleitores contrários ao atual presidente podem ser comparados aos 54% de brasileiros que disseram que não votariam de forma alguma em Fernando Haddad em 2018. Esse número foi divulgado no dia 18 de outubro daquele ano – 10 dias depois, Bolsonaro era o novo mandatário máximo do país.

Nenhum presidente candidato à reeleição esteve tão mal nas pesquisas nos meses de junho do ano da disputa da reeleição. Agora, Bolsonaro só tem a máquina pública e o tempo, cada vez mais exíguo, em seu favor.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)