Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Matheus Leitão

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Cármen Lúcia coloca Tarcísio de Freitas em uma sinuca de bico

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 13 Maio 2024, 22h32 - Publicado em 28 ago 2023, 10h45

Ao pedir cinco dias para que o governador de São Paulo Tarcísio de Freitas esclareça a homenagem feita pelo Estado a um violento coronel da ditadura, a ministra Cármen Lúcia sinaliza que poderá dar um basta nesses lamentáveis atos de reverências brasileiros.

Seria bom para o país. Até para não passar vergonha perante outras nações.

Isso não acontece em nenhum dos nossos vizinhos sul-americanos, como Chile e Argentina. Também não acontece na África do Sul. 

Os três países passaram pela chamada Justiça de Transição após o fim de regimes de exceção semelhantes ao brasileiro, punindo aqueles que atuaram em discordância com a Declaração Universal de Direitos Humanos.

Em solo estrangeiro não se fazem honrarias a quem torturou – se investiga, se julga e se pune. 

Continua após a publicidade

Ao escolher o caminho oposto – o da impunidade -, o Brasil vive um fenômeno único no qual se normalizam homenagens àqueles que, como servidores públicos das Forças Armadas, violaram os direitos fundamentais de brasileiros civis.

No caso em questão, o coronel ganhou o nome em um entroncamento entre duas rodovias no Estado.

Não só o governador de São Paulo participou, mas o presidente da Assembleia Legislativa do Estado (Alesp), André do Prado (PL), fez questão de explicitar o motivo da honraria.

Para o deputado do partido de Bolsonaro, o coronel merece destaque por sua “notória participação” no golpe de 1964, classificado por ele de “movimento que pôs fim à anarquia comunista”.

Continua após a publicidade

Em 2023, 38 anos após o fim da ditadura, é preciso mesmo dizer mais alguma coisa? Não vou nem contar na coluna o que o coronel fez em uma universidade, em plena luz do dia, durante o regime fardado.

É que, politicamente, há uma nova questão. A resposta de Tarcísio de Freitas para Cármen Lúcia será uma sinalização importante do governador de São Paulo. Tarcísio quer representar uma direita democrática ou uma extrema direita, como faz seu padrinho político?

Os sinais até hoje têm sido dúbios. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.