Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

A ausência e a falta de clareza da nova política industrial de Lula

… E que envolvem Haddad e Marina Silva!

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
23 jan 2024, 08h29

A nova política industrial divulgada nesta segunda, 23, pelo governo Lula tem jeito e cara da velha política industrial. É de se notar que o ministro Fernando Haddad não compareceu na cerimônia no BNDES.

Anunciaram, por exemplo, R$ 250 bilhões sem explicar de onde sairia o dinheiro e baseado apenas no banco público.

Entre os erros anteriores do PT na área econômica está o de considerar que os bancos públicos eram uma extensão do orçamento. E é por isso que assusta a frase do presidente Lula de que “dinheiro não é problema” – se referindo aos programas de governo.

Outro erro foi o de subsidiar as empresas brasileiras sem definir um propósito. Parte do dinheiro, exatamente R$ 21 bilhões, serão “créditos não reembolsáveis”, ou seja, dinheiro dado, que não precisa ser pago.

Se, por acaso, o BNDES está falando dos recursos do Fundo Amazônia, que vêm de doações de governos estrangeiros, os projetos têm que estar bem afinados com o ministério do Meio Ambiente.

Continua após a publicidade

Para isso, o projeto deveria ser anunciado com o aval da ministra Marina Silva, porque apesar de o BNDES ser o gestor do Fundo, ele é exclusivamente para ações que garantam a proteção da floresta.

A ausência de Haddad na cerimônia de lançamento do programa ou a falta de clareza sobre o “sinal verde” de Marina são um mau sinal. Haddad cuida do cofre, Marina da floresta. E hoje todo o desenvolvimento terá que ser realmente sustentável.

PS – O grande problema – e o leitor de VEJA sabe – é que não existe, em nenhum lugar do mundo, um país com restrição fiscal e sem limite de gastos.

Subsídio, com juros abaixo do mercado, é também gasto público. Quando errou, o PT achava que a gastança com o dinheiro público não era problema. Foi assim que fizeram as pedaladas fiscais. Foi assim que fizeram o endividamento aumentar.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.