Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Um a cada cinco jovens brasileiros não estuda nem trabalha, diz IBGE

Dados divulgados nesta quarta, 6, mostram que dois terços dos 10,9 milhões dos 'nem-nem' são negros e 76% estão abaixo da linha da pobreza

Por Isabella Alonso Panho
Atualizado em 6 dez 2023, 14h33 - Publicado em 6 dez 2023, 12h48

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 6, apontam que 10,9 milhões de jovens brasileiros de 15 a 29 anos de idade não estavam trabalhando nem estudando até o final de 2022. Isso significa, proporcionalmente, que um a cada cinco jovens dessa faixa etária (exatos 22,3%) não está no mercado de trabalho e nem se dedicando aos estudos.

A maior fatia desse grupo é de pessoas negras. Dos 10,9 milhões, quase metade (43,3%) são mulheres pretas ou pardas. Em segundo lugar, estão os homens dentro desse mesmo recorte racial (24,3%). Depois deles, vêm os jovens brancos, faixa na qual a maioria dos “nem-nem” também são mulheres (20,1%). Os restantes (11,4%) são os homens brancos que não estudam nem trabalham.

A pesquisa do IBGE questiona os motivos de esses jovens estarem parados separando-os em dois grupos: os que querem procurar emprego e os que não querem. Nesses dois segmentos, há uma disparidade gritante entre homens e mulheres que afirmam estarem ocupados com tarefas domésticas e cuidados com parentes. No meio de quem não está em busca de um trabalho, há 2 milhões de mulheres para 80.000 homens cuidando da casa e da família. A diferença se abranda entre os que procuram emprego — caindo para pouco mais de meio milhão de mulheres para 17.000 homens.

Problemas de saúde, gravidez, estudar por conta própria e não encontrar trabalho são os principais motivos destacados pela pesquisa para explicar os motivos pelos quais esses 10,9 milhões de jovens não estão trabalhando ou estudando. Entre os homens, a principal causa que os coloca no grupo dos “nem-nem” são questões relacionadas à saúde, que atingem, de acordo com o IBGE, 420 mil brasileiros de até 29 anos.

Continua após a publicidade

Faixa de renda

A pesquisa divulgada nesta quarta também faz um “raio-x” da renda desses 10,9 milhões de jovens. A maioria massiva deles (76%) é considerada pobre ou extremamente pobre de acordo com a linha da pobreza do Banco Mundial. O critério dessas duas classificações é quanto essas pessoas têm de renda diária. Na cotação atual do dólar, são considerados pobres os que vivem com menos de 33 reais por dia e extremamente pobres os que vivem com menos de 10 reais. O salário mínimo brasileiro equivale a uma renda de 44 reais diários.

A renda dos jovens que não estudam nem trabalham é menor nos estados do Nordeste. De acordo com o IBGE, 98% dos “nem-nem” da região estão na abaixo das linhas da pobreza (75,5%) e da extrema pobreza (22,5%).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.