Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Sob pressão política, Tarcísio se prepara para enfrentar nova greve em SP

Paralisação soma-se a problemas de articulação com a sua base aliada e que põem em xeque ao menos duas grandes propostas do Executivo

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 nov 2023, 16h05 - Publicado em 27 nov 2023, 14h33

A nova greve unificada programada para esta terça-feira, 28, em São Paulo, deverá tornar-se mais um desafio político para a gestão do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos). Organizada por trabalhadores que protestam contra a privatização do Metrô, da CPTM e da Sabesp, a paralisação acontece em meio à escalada da pressão feita pelos sindicatos e no momento em que a articulação de Tarcísio com a Assembleia Legislativa (Alesp) tem se mostrado frágil — inclusive com resistências da própria base aliada na Casa.

Prestes a completar um ano de mandato, o governador de São Paulo tem tido dificuldade para reunir apoio suficiente para colocar à votação algumas de suas principais propostas. Além da própria privatização da Sabesp, têm sido alardeados pelo Palácio dos Bandeirantes como prioridades a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que permite a transferência de 5% dos recursos da Educação para a Saúde e a reforma administrativa que pretende enxugar cargos da máquina pública e economizar cerca de 10 milhões de reais mensais aos cofres estaduais. Com a falta de uma base consolidada, o Executivo levou meses para enviar esses dois últimos projetos à Alesp e, atualmente, não há sequer consenso de que as matérias sejam votadas ainda em 2023.

Por outro lado, a tramitação avançada da privatização da Sabesp — a proposta já ganhou parecer favorável em comissões — tem unido os sindicatos de trabalhadores contra a gestão estadual. Após a primeira grande greve que parou o transporte público na capital, em 3 de outubro, a paralisação marcada para esta terça-feira, 28, deverá ter ainda o apoio da Apeoesp, maior sindicato de professores da rede de ensino público paulista. A entidade também se posiciona contra os possíveis cortes na Educação com a PEC enviada ao Legislativo.

Medidas

Para tentar frear o avanço da greve, o governo Tarcísio de Freitas foi novamente à Justiça de São Paulo, nesta segunda-feira, 28, pedir que 100% dos funcionários do Metrô trabalhem nos horários de pico e que, nos demais horários, ao menos 80% dos trabalhadores operem normalmente. Em resposta, o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2) determinou que 80% do efetivo seja mantido no horário de pico e 60% nos demais períodos. Em caso de descumprimento, a multa diária é de 700.000 reais. Já para a CPTM, o TRT determinou que 85% do efetivo esteja atuando nos horários de pico, além de 60% nos demais intervalos, sob multa diária de 600.000 reais.

Continua após a publicidade

As linhas concedidas do metrô e trens vão funcionar normalmente nas linhas 4-Amarela, 5-Lilás, 8-Diamante e 9-Esmeralda.

Também para minimizar alguns dos efeitos da greve sobre a população, o governo determinou ponto facultativo nos serviços públicos estaduais prestados na capital na terça-feira, 28. A medida garante a remarcação de horários médicos, exames e demais serviços que estavam agendados para a data, entre eles consultas em Ambulatórios Médicos de Especialidades (AMEs) e agendamentos no Poupatempo.

Mais de 1,2 milhão de estudantes inscritos no Provão Paulista, que começaria na terça-feira, 28, tiveram as provas reagendadas para a partir do dia 29. Os profissionais da educação estão excepcionalmente excluídos do ponto facultativo, diz a gestão estadual, já que estarão envolvidos na preparação do Provão.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.