Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

No olho do furacão, Enel já era muito mal avaliada antes de apagão em SP

Concessionária está entre as piores em qualidade dos serviços, confiança do consumidor e valor da conta, segundo relatório anual feito pela Aneel

Por Bruno Caniato
Atualizado em 7 nov 2023, 15h24 - Publicado em 7 nov 2023, 15h22

O apagão que atinge regiões de São Paulo desde a última sexta-feira, 3, em decorrência das chuvas, tem gerado forte pressão da população sobre a Enel, distribuidora de energia elétrica que atende o estado. No entanto, a insatisfação de consumidores com a concessionária não é nada recente: dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), órgão do governo federal que fiscaliza o setor energético, indicam que a empresa pontua entre as piores distribuidoras de luz do país.

No relatório anual de 2022, que avalia os serviços prestados pelas 53 fornecedoras de eletricidade que atuam no Brasil, a Enel São Paulo pontuou 49,28 em uma escala de satisfação dos consumidores que vai de 0 a 100, ocupando a 45ª posição entre as concorrentes. Outros indicadores da pesquisa são igualmente precários — a concessionária fica em 46º lugar na percepção de qualidade dos serviços, além de se classificar como a quinta pior em termos de confiança no fornecimento de energia e a segunda mais criticada pelo valor da conta de luz.

Na avaliação de fidelidade dos consumidores, que mede a disposição do usuário em manter seu contrato com a empresa, a Enel São Paulo pontua 22,46 — na prática, menos de um quarto dos clientes ficaria com a Enel se tivesse a opção de trocar de fornecedora. O dado se reflete na quantidade de reclamações enviadas à distribuidora, que recebeu quase 16 mil chamados entre janeiro e outubro de 2023, sendo mais de um terço relacionadas a falta de energia, oscilação na tensão elétrica ou interrupções frequentes de abastecimento.

O descontentamento com os serviços se estende às subsidiárias da Enel Brasil que operam nos estados do Rio de Janeiro, Ceará e Goiás. No mesmo ranking da Aneel, a distribuidora cearense fica em 47º lugar em satisfação do consumidor, enquanto as fornecedoras fluminense e goiana se classificam na 44ª e 50ª posição, respectivamente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.