Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

MPF pede arquivamento de denúncia contra Lula, Dilma e Mercadante

Procurador do DF aponta prescrição de crime de obstrução à Justiça no caso dos ex-presidentes e falta de provas contra o ex-ministro da Educação

Por João Pedroso de Campos Atualizado em 11 abr 2022, 17h28 - Publicado em 11 abr 2022, 17h23

O Ministério Público Federal no Distrito Federal pediu à Justiça Federal o arquivamento de uma denúncia apresentada em 2017 pela Procuradoria-Geral da República contra os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff e o ex-ministro da Educação Aloizio Mercadante, todos do PT. Os três foram acusados pela PGR do crime de obstrução à Justiça, por suposta tentativa de embaraçar investigações da Operação Lava Jato.

Em manifestação enviada à 10ª Vara Federal do Distrito Federal no último dia 30 de março, o procurador da República Marcus Marcelus Gonzaga Goulart apontou que, nos casos de Lula e Dilma, os supostos delitos já prescreveram.

Os ex-presidentes foram denunciados com base na nomeação de Lula à Casa Civil do governo Dilma, em 2016, movimento que daria a ele foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal (STF) e o afastaria da jurisdição da 13ª Vara Federal de Curitiba, onde despachava o então juiz federal Sergio Moro. A posse de Lula foi barrada por uma decisão liminar do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

No caso de Mercadante, que atualmente preside a Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT, e será um dos formuladores do plano de governo de Lula para a eleição de outubro, o procurador afirmou que “verifica-se a ausência de elementos probatórios mínimos acerca de obstrução à investigação penal”.

O ex-ministro da Educação e da Casa Civil foi acusado pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot de tentar impedir que o ex-senador Delcídio Amaral (ex-PT-MS) fizesse um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal, em dezembro de 2015. À época, Delcídio estava preso por tentativa de obstrução da Lava Jato.

A principal prova colhida pela PGR contra Mercadante era um áudio de uma conversa entre ele e um ex-assessor do ex-senador, José Eduardo Marzagão, em que o ex-ministro aparece oferecendo ajuda a Delcídio Amaral. “Apesar de ser possível conjecturar, com base no contexto fático da época, que a ajuda oferecida a Delcídio Amaral, então senador da República preso em flagrante, poderia ter por objetivo evitar a celebração de acordo de colaboração premiada por parte desse, os áudios capturados não demonstram de forma cabal que a intenção era esta”, diz o MPF.

“O material registrado comprova, é fato, que ALOIZIO MERCADANTE ofereceu suporte jurídico e político a Delcídio, para tentar reverter sua prisão, bem como ajuda financeira à família desse, mas não é possível inferir de forma objetiva que a contrapartida à tal assistência seria evitar a celebração do acordo”, completa Goulart.

O procurador ainda sustenta que o oferecimento da ajuda não configura obstrução à Justiça e que, para tipificação deste delito, é necessário que o acusado consiga, de fato, embaraçar as investigações – Delcídio fechou a delação premiada.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)