Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Justiça suspende votação da Câmara que deu aval à privatização da Sabesp

Magistrada afirma que a Casa descumpriu decisão judicial e não fez as audiências públicas nem os estudos e laudos necessários; Legislativo pode recorrer

Por Adriana Ferraz Atualizado em 9 Maio 2024, 15h10 - Publicado em 3 Maio 2024, 18h45

A Justiça de São Paulo suspendeu o resultado da votação realizada na quinta-feira, 2, pela Câmara Municipal de São Paulo que deu aval à privatização da Sabesp. Durante a sessão plenária, a base do prefeito Ricardo Nunes (MDB) deu 37 votos favoráveis ao projeto contra 17 contrários da oposição, que já havia judicializado a matéria.

Nesta sexta, 3, a juíza Celina Kiyomi Toyoshima, da 4ª Vara de Fazenda Pública da Justiça de São Paulo, considerou que a Casa descumpriu determinação anterior de fazer a votação somente após a realização de todas as audiências públicas e depois de apresentar um estudo de impacto orçamentário. A ação foi apresentada pelas bancadas do PSOL e do PT.

De acordo com a juíza, a votação ocorreu em desrespeito ao que ela própria havia decidido e contra os princípios constitucionais que permeiam o processo legislativo. “Seja pelo fato de não terem sido feitas as audiências públicas necessárias, nem os estudos e laudos pertinentes, desrespeitando os princípios constitucionais que permeiam o processo legislativo, bem como por clara afronta à determinação judicial, não resta outra medida que não a suspensão dos efeitos da votação “, decidiu Celina.

Menos de 30 minutos depois de aprovada a proposta, Nunes sancionou o projeto e publicou a lei em edição extra do Diário Oficial do Município. A aprovação de lei específica na capital era considerada medida imprescindível para a concretização do negócio pelo governador Tarcísio de Freitas (Republicanos). A capital responde por 45% do faturamento da empresa

Continua após a publicidade

Outro lado

Em nota, a presidência da Câmara Municipal de São Paulo afirmou que todo o rito legislativo foi legal e os critérios da liminar em vigor foram cumpridos, ou seja, a votação ocorreu após todas as audiências públicas previamente agendadas (nove) e após a apresentação do estudo de impacto orçamentário.

“Não há que se falar em suspensão dos efeitos da sessão, pois a Câmara entende que não cabe interferência judicial no trâmite legislativo, muito menos em um processo legislativo já encerrado, pois o PL 163/2024 já foi sancionado pelo prefeito e já está em vigor (Lei 18.107, de 2 de maio de 2024). Segundo a Câmara, “o instrumento legal para questionar uma lei aprovada é uma ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) e nunca uma ação popular”. Por causa desse entendimento, a Casa avalia se apresentará recurso à decisão.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.