Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Juiz Appio recorre ao CNJ contra seu afastamento do cargo pelo TRF4

Magistrado que vinha sendo responsável pela Lava-Jato foi afastado após ser apontado como autor de telefonema a filho de desembargador do tribunal

Por Redação
Atualizado em 26 Maio 2023, 19h31 - Publicado em 26 Maio 2023, 18h35

Afastado da 13ª Vara Federal de Curitiba por ordem do Conselho do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), o juiz federal Eduardo Appio recorreu ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para que possa voltar ao cargo. O recurso está sendo apresentado pelos advogados Walfrido Warde, Pedro Serrano e Rafael Valim, no início da noite desta sexta, 26, ao corregedor do CNJ, Luis Felipe Salomão, ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Além do retorno de Appio à vara da Operação Lava-Jato, a defesa dele pede ao CNJ uma auditoria nos processos que tramitam junto a ela.

Então responsável pelos processos da Lava-Jato em Curitiba, berço da investigação, Appio foi afastado liminarmente do posto na última segunda-feira, 22, depois de a Polícia Federal apontá-lo como autor de uma ligação ao advogado João Eduardo Malucelli, na qual teria se passado por outra pessoa para buscar saber se João Eduardo é filho do desembargador federal Marcelo Malucelli, do TRF4.

O advogado, filho de Malucelli, é genro do ex-juiz e senador Sergio Moro (União Brasil-PR) e sócio dele em um escritório de advocacia em Curitiba. Eduardo Appio é um crítico de Moro e de Malucelli. Como mostrou VEJA, o juiz apresentou em abril ao próprio CNJ um ofício em que aponta “graves ilegalidades” na atuação do desembargador no caso do advogado Rodrigo Tacla Duran.

Marcelo Malucelli responde a um procedimento no CNJ que apura se ele descumpriu uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski ao determinar o restabelecimento da prisão preventiva de Tacla Duran, então revogada por Appio. O advogado, que vive na Espanha e acusa Moro e o ex-procurador Deltan Dallagnol de extorsão na Lava-Jato, prestaria depoimento a Eduardo Appio sobre suas alegações.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.