Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

‘Fim do cessar-fogo em Gaza traz morte, destruição e miséria’, diz Papa

Pontífice alertou para a falta de bens e serviços essenciais nos territórios palestinos

Por Da Redação
3 dez 2023, 13h25

Neste domingo, 3, o Papa Francisco lamentou o fim do cessar-fogo entre Israel e Hamas na Faixa de Gaza, e fez um apelo para que os combatentes suspendam novamente as hostilidades e busquem soluções pacíficas ao conflito.

“Me entristece que a trégua tenha sido quebrada. Isso significa morte, destruição e miséria”, disse a mensagem do Papa transmitida em telões na Praça de São Pedro, na Cidade do Vaticano. O pontífice alertou para a quantidade de reféns que ainda são mantidos em Gaza e ressaltou que muitos cidadãos nos territórios palestinos sofrem com falta de “necessidades básicas”.

“Espero que todos os envolvidos possam chegar a um novo acordo de cessar-fogo, assim que possível, e encontrem alternativas às armas, tentando seguir o corajoso caminho da paz”, acrescentou o Papa.

Fim da trégua

O acordo de cessar-fogo, firmado em 24 de novembro após discussões intermediadas pelo governo do Catar, caiu por terra diante de acusações mútuas de violações por Israel e Hamas. Na manhã do último sábado, 2, o governo de Tel Aviv informou que iria trazer de volta os agentes do Mossad, agência israelense de inteligência, que estavam em Doha para negociações.

Continua após a publicidade

Em coletiva de imprensa, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu declarou que o país continuará a guerra “até alcançar todos os seus objetivos” – em resumo, a libertação de todos os reféns e a eliminação completa dos radicais islâmicos em Gaza. “Nossos soldados se prepararam durante os dias de trégua para uma vitória total contra o Hamas”, afirmou.

O governo Netanyahu alega que foi alvo de disparos durante o período de trégua, e também acusa os combatentes palestinos  de descumprir sua promessa de libertar mulheres e crianças mantidas como reféns. Já o Hamas diz que Tel Aviv se recusou a participar de uma nova troca de prisioneiros e que se ofereceu para enviar corpos de reféns mortos em Gaza durante os confrontos, mas que Israel “já havia decidido retomar a agressão e não respondeu.”

Retomada das hostilidades

Também no sábado, Israel retomou os bombardeios aéreos na Faixa de Gaza, deixando ao menos 184 pessoas mortas e quase 600 feridos. Segundo o exército israelense, os ataques tiveram cerca de 400 alvos, sendo 50 deles na cidade de Khan Younis, no sul da região, onde casas e mesquitas ficaram destruídas e o necrotério da cidade está em pleno colapso.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.