Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

EUA coloca jornalista brasileira na lista do FBI por fraude milionária

Patricia Lélis é acusada de se passar por advogada de imigração e embolsar 3,41 milhões de reais das vítimas

Por Isabella Alonso Panho Atualizado em 8 Maio 2024, 16h51 - Publicado em 16 jan 2024, 14h24

A jornalista brasileira Patricia Lélis está no banco dos réus da Justiça dos Estados Unidos e é procurada pela polícia federal do país, o FBI. Ela é acusada de se passar por advogada de imigração e de ficar com 3,41 milhões de reais das vítimas, que a procuraram na esperança de obterem um visto para entrar no território estadunidense.

Nas redes sociais, ela confirmou que é procurada e que coletou documentos das vítimas e diz que se negou a cooperar com uma investigação da polícia federal dos EUA contra brasileiros.

O Departamento de Justiça dos EUA divulgou uma nota afirmando que Lélis fingia ser advogada especialista em imigrações, e que pedia dinheiro e documentos das vítimas prometendo obter para elas vistos de entrada nos país. Uma brasileira, cujo nome não foi revelado, diz que pagou 135 mil dólares — equivalente a 661,9 mil reais na cotação atual — para receber um visto da categoria EB-5. Esse tipo de documento autoriza o estrangeiro a ficar permanentemente no território dos EUA. Como condição para obter esse visto, o imigrante precisa provar que está investindo em negócios que farão a economia do país girar.

O caso foi aberto em 2021. De acordo com a nota da Justiça americana, Lélis teria ficado com o dinheiro dessa brasileira e de outras vítimas. Além da apropriação, a denúncia criminal também diz que a jornalista falsificou formulários de imigração e forjou assinaturas para convencer as vítimas de que estava colocando o dinheiro delas em negócios que as ajudariam a obter o visto.

Em um dos casos, Lélis teria ameaçado os pais de uma das vítimas que se negaram a mandar mais dinheiro para ela. A nota do Departamento da Justiça diz que Lélis convenceu conhecidos seus a se passarem por funcionários de um fundo de investimentos no Texas, estado em que ela morava.

Continua após a publicidade

Outro lado

Nas redes sociais, a jornalista fez algumas publicações minimizando o processo a que responde na Justiça dos EUA e dizendo que já deixou o país. Ela afirma que é procurada por ter se negado a cooperar com uma investigação da polícia federal do país contra brasileiros. “Meu crime: peguei documentos de uns norte-americanos safados que me pediram para ser bode expiatório contra os meus e meti o pé. Boa sorte, USA, e contem sempre comigo para estar contra o governo norte-americano”, ironizou a jornalista.

Quem é Patrícia Lélis

A jornalista passou a ficar sob os holofotes quando, em 2016, acusou o deputado federal Marcos Feliciano (PL-SP) de tentar estuprá-la. O caso foi arquivado a pedido do Ministério Público. Segundo a Agência Brasil, a Polícia Civil de São Paulo, que investigava as denúncias da então estudante de jornalismo, a acusou por denúncia caluniosa e extorsão.

Na época, Lélis trabalhava para o PSC, sigla da família Bolsonaro. Ela também diz que foi namorada do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), com quem trocou ofensas públicas. Lélis tentou ser deputada federal em 2018, mas não foi eleita.

(Com informações da Agência Brasil)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.