Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Bolsonaro fora da reeleição, acena Bolsonaro

Novidade na retórica do presidente-candidato: pela primeira vez, ele falou sobre a possibilidade de não disputar um novo mandato no próximo ano

Por José Casado Atualizado em 20 jul 2021, 09h43 - Publicado em 20 jul 2021, 09h00

Jair Bolsonaro acenou ontem com uma carta até agora imprevista no jogo da eleição de 2022, a possibilidade de não participar da disputa presidencial.

Diante da habitual plateia de seguidores na portaria do Palácio da Alvorada, ele fez um jogo de palavras, culpando o sistema eletrônico de votação, pelo qual se elegeu nos últimos 25 anos, sucessivamente, e sem nenhuma contestação — dele ou dos adversários. “Entrego a faixa para qualquer um, se eu disputar a eleição, né?” — disse. “Se eu disputar, eu entrego a faixa para qualquer um. Agora, participar de uma eleição com essa urna eletrônica…”

O “se” indica indeterminação. É novidade na retórica do presidente-candidato. Até ontem, nem os mais fervorosos adversários contavam com tal possibilidade nas suas planilhas de cálculos eleitorais. Já têm autorização do candidato para incluí-la, embora ele seja um político cuja característica é desfazer à tarde as promessas que fez pela manhã.

Na campanha de 2018, por exemplo, anunciou que, se eleito, não haveria reeleição. Foi num sábado no Rio, uma semana antes do segundo turno eleitoral. O candidato Bolsonaro reafirmou uma de suas “primeiras medidas”, que repetia desde o início da campanha: “O que eu pretendo, e tenho conversado com o parlamento também, é fazer uma excelente reforma política para acabar com o instituto da reeleição, que no caso começa comigo, se eu for eleito.”

Oito dias depois, estava eleito. Perguntaram-lhe sobre o fim da reeleição, e ele apresentou a primeira ressalva: “A possibilidade de não concorrer à reeleição é se conseguir fazer um acordo para aprovar a reforma política. Não é apenas ‘eu não vou concorrer à reeleição.”

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro diz que pode participar dos atos a favor do voto impresso

Se passaram 30 meses do mandato. Não houve— e nem há perspectiva — de Bolsonaro liderar negociações com o Legislativo para “uma excelente reforma política”.

Até hoje, também, não se tem notícia de qualquer projeto com a sua assinatura “para acabar com o instituto da reeleição”.

Rejeição Bolsonaro CNT MDA Datafolha julho 2021
CNT/MDA e Datafolha, julho 2021/VEJA

Ao contrário, há dois anos e meio ele se dedica em tempo integral à campanha por um novo mandato — um dos resultados visíveis, como tem demonstrado a CPI do Senado, foi o descontrole governamental na pandemia, em cujo rastro contavam-se 539 mil mortes até a noite de ontem.

A expressão “se eu disputar” vai ser lida e interpretada de diferentes formas. Pode ser entendida, até mesmo, como mero desabafo de um presidente preocupado com o nível recorde de rejeição à sua (eventual) candidatura à reeleição: 61,8% na sondagem CNT/MDA, e 59% no Datafolha, pesquisas realizadas há menos de duas semanas, entre os dias 1º e 8 de julho, antes de sua internação hospitalar por “obstrução intestinal”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês