Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Isabela Boscov Por Coluna Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Filme ‘Moonfall’ abusa do direito à bobagem — e passa vergonha

Nova super-produção do diretor Roland Emmerich, o mesmo de 'Independence Day', imagina um fim do mundo em que a Lua cairá sobre a Terra

Por Isabela Boscov 3 fev 2022, 15h31

Um fenômeno ainda não compreendido está alterando a órbita da Lua e fazendo com que ela se aproxime rapidamente da Terra: dentro de dias, a gravidade terrestre deve despedaçar o satélite, que choverá, aos pedaços (e bote-se pedaço nisso), sobre a superfície do planeta, destruindo-o – ou destruindo aquilo que já não estiver destruído pelas marés que começam a atingir dezenas de metros, a intensificação da atividade vulcânica e outros eventos cataclísmicos. Bem que o professor KC Houseman tentou avisar a Nasa do estranho – ou lunático – comportamento lunar. Mas, claro, ninguém deu ouvidos ao nerd rechonchudo e afeito a teorias extravagantes, que o inglês John Bradley, em seu primeiro papel de destaque desde o Samwell Tarly de Game of Thrones, interpreta com ar de quem sabe que se lascou, mas agora é tarde e o jeito é ir em frente.

Não é improvável que parte da plateia, ao menos, se solidarize com os sentimentos de Bradley e do restante do elenco. Filmes-catástrofe são aquele programa que pode ser bom até quando é ruim: o espectador ajusta as expectativas sobre lógica, coerência e rigor científico – e sobre a qualidade da dramaturgia – para se divertir com as cenas espetaculosas de hecatombes variadas ou combinadas, até o desfecho em que, invariavelmente, algum dos protagonistas encontra uma solução para a devastação planetária e todos se cumprimentam, felizes, apesar das escoriações. Mas o Moonfall: Ameaça Lunar do diretor Roland Emmerich, já em cartaz nos cinemas, abusa do direito à bobagem e também de outro direito ainda, o de repetir uma fórmula já muito surrada e, em boa parte, inventada pelo próprio diretor em Independence Day, e lá se vai um quarto de século.

A sequência de abertura, por exemplo, é um decalque descarado (e barateado) do início do Gravidade de Alfonso Cuarón; o truque do astronauta – preencha com a profissão da ocasião – caído em desgraça (Patrick Wilson) que tem de acertar as diferenças com uma ex-colega e ex-amiga (Halle Berry) para salvar a humanidade está rodando por aí desde que o mundo é mundo, ou que a Lua é Lua. Estaria mais do que na hora, também, de declarar moratória ao nerd com sobrepeso como alívio cômico, mas Moonfall não só insiste nele como o combina a outra figura obrigatória, a do cientista que é desacreditado por profetizar uma desgraça que já está em vias de acontecer. E, óbvio, não poderia faltar o draminha familiar preferido de nove entre dez filmes-catástrofe, o do pai divorciado que, graças à tragédia (o “graças” é por conta do roteiro) se reaproxima do filho (Charlie Plummer). 

A verdade é que todos esses clichês são facilmente perdoados quando as cenas de ação e destruição impressionam – aqui elas não passam do regular – e quando o filme proporciona alguma diversão de fato, o que Emmerich soube oferecer em boa quantidade em Independence Day e em O Dia Depois de Amanhã, que tinha ótimas sacadas e, surpresa, não se saía mal na ciência (soa contra-intuitivo mas, sim, a elevação da temperatura global pode em tese levar a frios muito mais severos no hemisfério Norte. Assunto para outra hora). Aqui, porém, a explicação para o desabamento da Lua é um vexame que, não se bastando em si mesmo, serve de pretexto para um casamento entre Star Wars – Uma Nova Esperança e 2001 – Uma Odisseia no Espaço. Fãs de um e de outro certamente têm objeções a que essa união se realize – ainda mais assim, com noivos que mal sabem o nome um do outro e vão, bêbados, trocar alianças de plástico em alguma capela de Las Vegas.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)