Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Felipe Moura Brasil Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".
Continua após publicidade

Renato Aragão e Danilo Gentili contra o politicamente correto

Por Felipe Moura Brasil
Atualizado em 31 jul 2020, 02h23 - Publicado em 6 jan 2015, 19h44

(Passei a terça na rua, mas estou de volta. Vamos lá.)

Didi Danilo

A frase do dia é do comediante Renato Aragão, que completa 80 anos na próxima terça-feira. Em entrevista à edição de janeiro da PLAYBOY, da Editora Abril, que também publica VEJA, ele falou sobre a dificuldade de se fazer humor atualmente com a patrulha do politicamente correto:

“Hoje todas as classes sociais ganharam a sua praia, e a gente tem que respeitar muito isso. Eu sou até a favor. Mas, naquela época, essas classes dos feios, dos negros, dos homossexuais, elas não se ofendiam. Elas sabiam que não era para sacanear.”

Continua após a publicidade

Na revista, Aragão defende que ele e Mussum, seu companheiro de Trapalhões, se divertiam com as piadas raciais. “Na época, a gente fazia como uma brincadeira. Como se fôssemos duas crianças em casa brincando. A intenção não era ofender ninguém.”

Em matéria de junho de 2014 do Fantástico, o assunto também foi abordado:

Fantástico: Eram racistas as piadas que vocês faziam com o Mussum?

Continua após a publicidade

Renato Aragão: Ninguém entendia isso como racismo. Ninguém. Era uma brincadeira, era uma caricatura.”

(…) Dedé Santana: “Eu falei, ‘Renato, por que a gente não põe um afrodescendente?’, hoje é afrodescendente, né? No meu tempo eu falei: ‘por que a gente não bota um negão com a gente?”

O humorista e apresentador do SBT Danilo Gentili também tocou em pontos importantes sobre o tema em entrevista publicada nesta segunda (5) no Estadão:

Continua após a publicidade

A primeira coisa que a patrulha do politicamente correto faz é se travestir de opinião pública. Isso acontece em todas as áreas. A mais corriqueira é a propaganda. Vamos pegar um anúncio com a Gisele Bündchen, por exemplo. Pois dez patrulheiras se reúnem e passam o dia inteiro ligando para o Conar [Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária] para reclamar. E o Conar ‘conclui’ que as mulheres do Brasil estão muito ofendidas com o anúncio da Gisele Bündchen. Só que não é verdade, não tem ninguém ofendido. O problema é que a patrulha é muito organizada.

Exato. Foi assim quando o Conar determinou que o Bom Negócio retirasse de um comercial de TV a palavra “ordinária”, dita apenas em parte (“vem, vem, ordiná…”) pelo cantor popular famoso por esse bordão, Cumpadre Washington, interrompido em cena justamente pelo marido da mulher que ele estava “cantando”. O Conar alegou ter recebido reclamações de 50 consumidores, a maioria do sexo feminino, dizendo-se ofendidos. Como escrevi na ocasião:

“Hoje, pelo visto, basta reunir uma equipe de ativistas para reclamar de peças publicitárias que lhes firam suscetibilidades e logo uma censura ao menos parcial é executada pelo órgão responsável. O resultado desse moralismo travestido com o nome de ‘politicamente correto’ é sempre este: um autoritarismo fofo, aplaudido pelos melindrosos.”

Continua após a publicidade

Por conta da péssima repercussão da punição – isto é: da vigilância da sociedade -, o Conar felizmente decidiu refazer seu julgamento. O número de queixas contra a medida chegou a 100 – o dobro das originais – e a empresa afetada nem precisou recorrer.

Como disse Gentili ao Estadão: “Esses patrulheiros não representam, de maneira nenhuma, a opinião das pessoas. As pessoas são muito mais bem-humoradas do que se supõe, muito mais inteligentes.”

O problema mesmo é o poder dos patrulheiros sobre as demais. Henry Ward Beecher dizia: “Uma pessoa sem senso de humor é como uma carroça sem molas – sacudida por cada seixo na estrada.” O politicamente correto tenta tirar as molas de todo mundo e entregar outros seixos (pedrinhas) na mão dizendo: atira em quem te sacudir!

Continua após a publicidade

É uma ferramenta desenvolvida para fomentar o melindre pessoal (o “mimimi”) e legitimar assim a censura.

Que os brasileiros – feios, negros, gays, ou quaisquer outros – aprendam a não cair no truque enquanto é tempo. Agora que o governo pretende criar um órgão de “regulação da mídia”, já imaginou quantas queixas os militantes fariam a cada notícia desfavorável?

Felipe Moura Brasil ⎯ https://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.