Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

‘Com Amor e Fúria’: a marca da francesa Claire Denis em ‘thriller erótico’

O drama retoma tensões raciais e sociais que permeiam a obra da autoria, criada na África

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
5 nov 2022, 08h00

Sara (Juliette Binoche) transborda de alegria ao lado de Jean (Vincent Lindon), e o amor entre eles parece inabalável. Isso, até o dia em que Sara vê na rua François (Grégoire Colin), o homem que ela deixou para viver com o atual parceiro. A mulher se esconde atrás de uma parede e treme enquanto repete o nome do ex, entre o tormento e o desejo. A cena do filme Com Amor e Fúria (Avec Amour et Acharnement, França, 2022), em cartaz nos cinemas, anuncia o dilema da personagem dividida entre o refúgio de um casamento estável, mas envolto em problemas financeiros e raciais — Jean tem um filho adolescente negro —, e a ebulição da paixão cega sem compromissos. O clima de incerteza que ronda o triângulo amoroso e as cenas de sexo explícitas deram ao filme da diretora francesa Claire Denis o rótulo de thriller erótico. A classificação é refutada pela cineasta de 76 anos, premiada no Festival de Berlim pela obra.

Claire Denis

Claire desafia as categorizações de gênero, trafegando do romance picante a produções de terror ou ficção científica — é dela o filme High Life, com Robert Pattinson, sobre criminosos enviados ao espaço. Seus trabalhos tratam, acima de tudo, da busca incansável do ser humano por pertencer — a alguém ou um lugar. O desejo é frustrante e culmina, muitas vezes, em violência e solidão: alguns de seus personagens, com sorte, encontram a libertação. Sua obra bebe, de forma literal ou poética, de uma fonte autobiográfica recorrente.

The Films of Claire Denis: Intimacy on the Border

Claire nasceu em Paris, mas cresceu em diferentes países da África. Seu pai, um funcionário público, trabalhou em colônias francesas como Senegal e Camarões, e se dedicou a criar as duas filhas com seu vasto conhecimento geográfico e político. Aos 12 anos, ela contraiu pólio e voltou à França para se tratar. Claire, porém, nunca se sentiu de fato francesa. “Sou uma filha da África”, diz até hoje. Dois de seus filmes mais elogiados, Chocolat (1988) e Bom Trabalho (1999), são ambientados em território africano e mostram o mal-estar causado pelo colonialismo francês. Com Amor e Fúria aborda o tema de forma tangenciada.

Continua após a publicidade

Em uma cena, Sara, que é radialista, entrevista o ex-jogador de futebol e ativista Lilian Thuram, numa participação como ele mesmo no filme. O caribenho conta que sua mãe foi aconselhada a ter filho com um branco, para “clarear” a pele. Pouco depois, o marido de Sara diz ao filho rebelde, fruto de uma relação com uma mulher da Martinica, que o fato de ser negro não pode impedi-lo de sonhar alto. No mundo de Claire Denis, o amor e o desejo acontecem lado a lado com questões políticas e de identidade. É um cinema que não conhece fronteiras.

Publicado em VEJA de 9 de novembro de 2022, edição nº 2814

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Claire Denis
Claire Denis
The Films of Claire Denis: Intimacy on the Border
The Films of Claire Denis: Intimacy on the Border

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.