Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

MPF vê ‘direcionamento’ em licitação que beneficiou família de senador

Senador Marcelo Castro e o filho, deputado Castro Neto, assinaram emenda destinando 66 milhões para um negócio tocado por um parente

Por Hugo Marques Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 11 Maio 2024, 19h10

O Ministério Público Federal pediu ao governo do Piauí que suspendesse um contrato firmado com o Hospital da Visão do Meio Norte, no valor de 66 milhões de reais, para a realização de 28 mil cirurgias de catarata em onze cidades do Estado. O motivo: suspeita de ‘direcionamento’ da licitação.

Como mostrou a edição impressa de VEJA desta semana, o dono do hospital, Thiago de Castro, é sobrinho do senador Marcelo Castro (MDB-PI) e primo do deputado federal Castro Neto (PSD-PI). Os dois parlamentares são signatários da emenda que destinou os recursos para financiar um mutirão de combate à catarata, doença que pode levar à cegueira.

Segundo o MPF, o edital elaborado pelo governo do Piauí restringiu a competitividade, na medida em que não deu chance de participação de várias clínicas e hospitais.  Além disso, segundo os procuradores, a contratação tem indícios de superfaturamento. A empresa do sobrinho do senador cotou cada cirurgia a 2,3 mil reais, enquanto o SUS realiza o mesmo procedimento por 919 reais.

Os indícios de ilegalidade são flagrantes. Na licitação, uma clínica de São Paulo se ofereceu para fazer as mesmas 28 mil cirurgias por 39 milhões de reais, quase a metade do valor cobrado pela empresa do sobrinho do senador, mas ela foi desclassificada por razões “técnicas’.

MPF deverá ajuizar ação civil pública

O MPF informou que está em andamento um inquérito civil para investigar as supostas irregularidades. Diante das suspeitas, o órgão chegou a pedir ao governo do Piauí que suspendesse o processo de contratação do hospital.

Continua após a publicidade

De forma inusitada, porém, o governo piauiense simplesmente negou o pedido e também não quis se manifestar sobre o episódio. Perguntado sobre o caso, o deputado Castro Neto justificou a coincidência de enviar os recursos e ter o primo lucrando na outra ponta: “Não sou eu quem faz a licitação”. Já o cirurgião Thiago Castro, indagado sobre as suspeitas, preferiu tergiversar: “Não estou sabendo disso, não”.

O senador Marcelo Castro garante que soube há pouco tempo dessa aparente coincidência. “Foi um assessor que me disse que meu sobrinho estava participando do mutirão”, minimizou, ressaltando também que a responsabilidade pela contratação da empresa é do governo do Piauí, comandado pelo PT.

PT e MDB são aliados políticos no estado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.