Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

É tudo história

Por Coluna
O que é fato e ficção em filmes e séries baseados em casos reais
Continua após publicidade

‘Dom’: a história real do ‘Esquadrão da Morte’ retratado na série

Pai do bandido famoso fazia parte de grupo de elite da polícia que tinha como missão "limpar" o estado executando quem visse pela frente

Por Amanda Capuano Atualizado em 20 mar 2023, 09h53 - Publicado em 20 mar 2023, 08h00

No início da década de 1970, o policial Victor Dantas é convidado para integrar a equipe dos chamados “12 Homens de Ouro da Polícia Carioca”, um grupo de elite fundado para “limpar a cidade da criminalidade”. Em um episódio da nova temporada de Dom, lançada nesta sexta-feira, 17, no Amazon Prime Video, Dantas aparece embolsando uma grana gorda em uma operação em que os colegas de farda executam os criminosos a sangue frio. Representado na série que narra a vida de Pedro Lomba, filho de Dantas, e conhecido como “bandido gato”, o chamado “esquadrão da morte” existiu na vida real, e foi responsável por execuções em série no Rio de Janeiro e Espírito Santo durante décadas — e teria dado origem às atuais milícias cariocas.

Criado em 1964, o chamado “esquadrão da morte” surgiu a partir da Scuderie Detetive Le Cocq, grupo de policias que se reuniu para vingar a morte do detetive Milton Le Cocq, um agente influente da polícia da época, que chegou a integrar a escolta de Getúlio Vargas. Ele foi morto durante uma tocaia para capturar Manoel Moreira, que tinha o apelido de Cara de Cavalo e extorquia bicheiros. Meses depois, Manoel foi executado com mais de 60 tiros — essa foi a primeira morte atribuída à Scuderie Le Cocq, que seria responsável por outros 1 500 assassinatos só no Espírito Santo até o início dos anos 2000.

Em meio à ditadura militar, o grupo, que era admirado por parte da sociedade, e apoiado pelo governo da época, justificava as mortes dizendo que os criminosos teriam reagido à prisão. Logo, eles passaram a perseguir também pessoas que se opunham ao regime militar, comandando torturas e execuções sumárias de opositores. Com influência na sociedade carioca, os “12 homens de ouro” passaram a cobiçar cargos importantes — Guilherme Godinho Ferreira, o Sivuca, que integrava o grupo, chegou a se eleger deputado estadual com o infame bordão “bandido bom é bandido morto”.

Continua após a publicidade

Victor Dantas, o pai de Pedro Dom, que ficou conhecido como o “bandido gato” que comandava uma quadrilha especializada em assalto a residências de luxo, acabou expulso da organização por desonra e chegou a declarar, posteriormente, que seu envolvimento com o Esquadrão foi “a pior coisa que fez em sua vida”. Foi ele quem levou a história do filho até Breno Silveira, diretor da série que morreu no ano passado vítima de um ataque cardíaco. Na época, o cineasta chegou a dizer que Dantas, que morreu em 2018 de câncer de pulmão, se arrependeu de dedicar a carreira na polícia à guerra as drogas e da forma que criou o filho.

Na nova leva de episódios, o policial aparece se opondo às práticas criminosas do esquadrão da morte, questionando execuções e pegando o dinheiro de forma forçada enquanto tenta salvar o filho da “parte podre” da polícia. Na vida real, no entanto, a representação de Victor Dantes sofre com acusações de romantização — a filha mais velha do policial chegou a declarar que o pai herói e amoroso retratado na série não existe, e que Dantas sempre foi um cara violento, e que passou essa intimidação na educação dada ao filho. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.