Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

É tudo história

Por Coluna
O que é fato e ficção em filmes e séries baseados em casos reais
Continua após publicidade

A controversa história real por trás do filme ‘Nyad’, da Netflix

Produção acompanha a trajetória da atleta Diana Nyad, que nadou de Cuba até a Flórida aos 64 anos de idade

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 20h11 - Publicado em 10 nov 2023, 11h52

No dia 31 de agosto de 2013, Diana Nyad, então com 64 anos, encarava sua quinta tentativa de atravessar a nado o estreito de Flórida – trecho em mar aberto que separa Cuba e Estados Unidos. A empreitada finalmente se concretizou após 52 horas, 54 minutos e 18 segundos, quando ela chegou em Miami, no dia 2 de setembro — trama retratada no filme Nyad, da Netflix, com a atriz Annette Bening na pele da nadadora e Jodie Foster como Bonnie, sua treinadora.

O feito notável, porém, é tema de uma longa controversa que impede, até hoje, que Nyad entre para o Guinnes como a primeira mulher a realizar o trajeto sem o suporte de uma gaiola anti-tubarão. O embate é liderado pela Associação Mundial de Nadadores em Mar Aberto, que se recusa a validar o recorde — e ainda faz questão de colocá-lo em xeque. Com o lançamento do filme, a associação soltou um comunicado, ressaltando que era essencial assisti-lo com “discernimento, tendo em mente as discrepâncias em torno do nado”.  

O impasse ocorre porque Nyad não teria aderido a todos os protocolos exigidos por uma ultramaratona em mar aberto. Um ponto discutido é que ela pede que seu recorde seja registrado como “sem assistência”, porém, além de usar uma roupa especial, a equipe de apoio da nadadora a ajudou a selar parte de seu traje em determinado ponto. Mas o x da questão que incomoda o grupo é que o trajeto não foi completamente filmado – 9 horas da travessia não foram registradas. 

Em parte desse trecho, dados do GPS mostram uma aceleração atípica da nadadora — logo, os que refutam o feito afirmam que Nyad teria recebido a assistência de algum tipo de objeto ou veículo. Especialistas do lado da nadadora sugerem que a aceleração veio de um impulso de uma correnteza específica do golfo. Mesmo sem provas concretas contra Nyad, a associação negou diversas vezes autenticar sua travessia – a mais recente negativa foi dada em 18 de setembro deste ano. 

Continua após a publicidade

O caso ainda ganha ares de teoria conspiratória pelo fato de que Nyad exagerou sobre suas conquistas no passado, como quando ela afirmou ter sido a primeira mulher a nadar ao redor da ilha de Manhattan, em 1975 – a primeira, na verdade, foi Ida Elionsky, em 1916. A própria já se disse arrependida desses exageros ou dados errôneos – os quais não invalidam seus feitos. 

Diretora do filme, Elizabeth Chai Vasarhelyi respondeu à controvérsia dizendo que a produção não é sobre um recorde. “É sobre uma mulher com mais de 60 anos de idade que percebeu que sua vida não tinha chegado ao fim, mesmo que o mundo tenha decidido que ela não existia mais”, disse. Ao que tudo indica, Nyad não vai descansar tão cedo de lutar contra esse mundo que insiste em desclassificá-la.

Acompanhe notícias e dicas culturais nos blogs a seguir:

Tela Plana para novidades da TV e do streaming
O Som e a Fúria sobre artistas e lançamentos musicais
Em Cartaz traz dicas de filmes no cinema e no streaming
Livros para notícias sobre literatura e mercado editorial

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.