Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Dúvidas Universais Por Duda Teixeira Os fatos internacionais que desafiam a lógica e o bom-senso explicados de maneira clara e atraente. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Por que os cubanos comem de pé nas ruas?

Costume é consequência do período em que os restaurantes com mesas tinham de pagar impostos mais altos

Por Duda Teixeira 30 set 2018, 07h00

“Comer parado”, é assim que os cubanos chamam o hábito de se alimentar de pé, nas ruas. A prática cresceu muito com um decreto governamental de 1995.

Com o fim da União Soviética, em 1991, Cuba deixou de receber ajuda financeira. A fome se abateu porque o governo não tinha como sustentar a população. O mercado paralelo de alimentos proliferou e era um dos mais lucrativos. Com isso, surgiram vários restaurantes pequenos e clandestinos, fora da alçada oficial.

Pessoas comem em pé em uma lanchonete localizada no município de Santa Clara, em Cuba – 18/12/2017 Roberto Machado Noa/LightRocket/Getty Images

Sem ter como resolver a questão, a ditadura comunista decidiu regularizar a situação. Os cidadãos, assim, foram autorizados a administrar os seus restaurantes.

Contudo, aqueles que quisessem colocar mesas para os clientes deveriam pagar um imposto maior.

A abertura também veio com várias outras regras. Os restaurantes só podiam funcionar na residência dos seus donos e não poderiam ter mais de doze cadeiras. Somente familiares poderiam trabalhar no estabelecimento.

Continua após a publicidade

O blog Dúvidas Universais virou livro no Kindle, da Amazon! Compre aqui  

Duda Teixeira/Divulgação

Para os que vendessem comida sem mesas, tipo delivery, o imposto cobrado pela ditadura era menor. Foi essa, portanto, a saída para a maioria dos pequenos empreendedores. É por isso que muitos cubanos aprenderam a comer de pé.

Com Raúl Castro, que assumiu o regime após o irmão, Fidel Castro, as regras foram retiradas. Mas o hábito permaneceu. São poucos os que fazem questão de se alimentar sentados. Alguns dizem que isso é um gesto de “resistência cultural”.

Outra curiosidade é que o nome desses restaurantes — paladares — vem de uma novela brasileira. No início dos anos 1990, Vale Tudo, da Rede Globo, fez muito sucesso em Cuba.

Na trama, uma personagem interpretada por Regina Duarte começou a vender sanduíches em uma praia do Rio de Janeiro para sair da pobreza.

Como o negócio foi dando certo, ela inaugurou um restaurante chamado Paladar. Os cubanos ficaram deslumbrados com esse exemplo de empreendedorismo e tentaram copiá-lo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês