Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Cristovam Buarque Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Continua após publicidade

O novo ensino conclusivo

É ilusória a promessa de universidade para todos

Por Cristovam Buarque
Atualizado em 5 jan 2024, 10h16 - Publicado em 5 jan 2024, 06h00

A reforma do ensino médio é para fazê-lo etapa conclusiva da educação de base com máxima qualidade para todos. Há décadas se debate a reforma sem ênfase em “qual seu propósito”, “para quem deve ser oferecido”, “qual a estratégia para implantá-la” e “que nome” dar para essa etapa da formação. Por isto, aceita-se o adjetivo de “médio” ao considerá-lo apenas ponte para poucos ingressarem em ensino superior que será concluído por alguns raros dos quais com empregabilidade. Essa concepção tem relegado o direito de todos à escola com a necessária qualidade para cada brasileiro dispor do mapa para a busca de sua felicidade pessoal e das ferramentas para participar da construção de seu país eficiente, justo e democrático. Em vez do compromisso de “educação para todos com a máxima qualidade”, adota-se a ilusória promessa de “universidade para todos”, independente da qualidade.

A reforma do ensino médio para “ensino conclusivo” da educação de base deve ter o propósito de servir para que todos os brasileiros, aos 18 anos, estejam plenamente formados para a contemporaneidade. Para tanto, deve assegurar com equidade a formação de todos para falar e escrever bem o idioma português; ser fluente em pelo menos mais um dos idiomas usados internacionalmente; conhecer os fundamentos da matemática, ciências, geografia, história, artes; debater com competência os temas de filosofia, política, antropologia e sociologia relacionados ao mundo moderno; saber usar as ferramentas digitais; dispor de pelo menos um ofício que permita emprego e renda; adquirir solidariedade com os vizinhos, com a humanidade e com a natureza; ser capaz de obter educação continuada até o final da vida; e, se desejar, poder disputar por vocação, não por necessidade de status do diploma nem de conhecimento para sobreviver, uma vaga em curso superior nas melhores universidades.

“Nenhum jovem deve ser deixado para trás. Todos aptos ao sucesso pessoal e a contribuir com o país”

Para oferecer essa necessária formação a todos, além de medidas sociais de incentivo à permanência na escola, o ensino conclusivo deve transmitir sentimento de que o aprendizado será útil e benéfico ao longo da vida, por oferecer formação profissional, deixando cada um apto a exercer função e obter renda satisfatória; deve ser atraente ao utilizar edificações confortáveis e bonitas, com professores preparados e dedicados, usar técnicas pedagógicas e curricular com itinerários ao gosto dos jovens. Esse propósito formativo vai exigir horário integral, incluindo esporte, cultura e profissionalização; ensino de temas como tecnologia da informação, empreendedorismo, compromisso social, gastronomia, primeiros socorros, oratória, geopolítica, ecologia, com participação em olimpíadas esportivas e cognitivas, em quatro anos de duração, com um ano a menos na etapa fundamental.

Continua após a publicidade

Nenhum jovem deve ser deixado para trás. Todos aptos ao sucesso pessoal e a contribuir com o país; e, para aquele que desejar, a mesma chance de êxito na disputa por vaga para ingresso e conclusão de curso em boa universidade. Por ser difícil a execução dessa ambiciosa reforma simultaneamente em todo o país, o “novo ensino conclusivo” deve ser implantado por cidades, em uma estratégia de alguns anos, sob a responsabilidade direta do governo federal.

Publicado em VEJA de 5 de janeiro de 2024, edição nº 2874

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.