Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Conta-gotas

Por Diogo Sponchiato
Pequenos diálogos para desbravar grandes obras & ideias − e cuidar melhor de si e do mundo
Continua após publicidade

O medo também constrói? Uma nova voz na literatura latino-americana

Escritora Mónica Ojeda cria, em contos e romance, ambiente em que as violências reais se misturam com uma espécie de horror cósmico

Por Diogo Sponchiato Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 20h16 - Publicado em 7 nov 2023, 08h54

A equatoriana Mónica Ojeda, exaltada como uma das principais vozes da nova geração de escritores de língua espanhola, é fã e discípula de uma corrente literária que poderíamos chamar de terror existencial. Constrói (e cultua) um universo cuja atmosfera tensa flerta entre o devaneio e a realidade, e a violência espreita, sutil ou mais abertamente, a qualquer instante.

Em ambientes bastante diferentes e com outros tipos de monstros, a autora latino-americana mantém acesas a tradição e a influência de H.P. Lovecraft, o genial e excêntrico escritor americano que, ao criar uma mitologia própria, revolucionou o que se convencionou chamar de literatura de horror. Mas, em vez das casas, colinas e pântanos e suas criaturas assustadoras no meio dos Estados Unidos, com Mónica Ojeda o cenário pode ser uma escola ou um casebre com vista às montanhas andinas.

O leitor brasileiro poderá penetrar nesse mundo, em que dilemas cotidianos e aspectos culturais serão até familiares, no romance Mandíbula (Autêntica), primeira obra da equatoriana lançada no país. Nela, acompanhamos, em múltiplas vozes, um grupo de adolescentes e professores de um colégio de elite que, entre laços de amizade e rompantes de violência, vive uma rotina marcada por bullying, angústia psíquica e desprezo social. Um ambiente voraz que produz vítimas e vinganças.

Em linguagem crua, por vezes cruel, Mónica expõe os sofrimentos de uma nova geração endinheirada que está se descobrindo, na carne e na mente, e continuamente testando seus limites. E não é à toa que uma dessas personagens, fascinada pelo terror cósmico de Lovecraft, assina, a título de lição de casa, um ensaio sobre o autor – um dos pontos altos do romance.

Agora, a escritora equatoriana volta às livrarias nacionais com o volume de contos Voladoras, também pela Editora Autêntica, em que os elementos da paisagem e do folclore de seu país pedem passagem. O medo, contudo, segue à espreita. O medo do real e do irreal, cujas fronteiras tantas vezes estão diluídas.

Continua após a publicidade

Será que o medo também constrói? Ler essa autora de 35 anos, uma das atrações da Festa Literária de Paraty (Flip) de 2023, nos ajuda a entender.

Com a palavra, Mónica Ojeda.

No seu livro de contos, a gente nota uma influência do folclore e de lendas locais nas narrativas. Quanto essa mitologia moldou sua formação como leitora e escritora?

Pouco, na realidade, já que sou da costa do país e essas histórias se passam na região de serra e montanha. Além disso, tive uma educação bastante ocidentalizada e branqueada, que me negou a possibilidade de conhecer em profundidade o mundo andino, com toda sua história e sua maneira de narrar. Meu interesse pelo elemento andino, por suas paisagens e símbolos, seu jeito de ver e pensar, veio depois. Eu tive de investigá-lo. Já faz um tempo que me fascinam as mitologias de distintas partes do mundo. Nelas podemos encontrar a estrutura do nosso pensamento e também tudo aquilo que desejamos ou tememos.

Continua após a publicidade

Seus livros – e isso é notável em Mandíbula – expõem alguns dos maiores sofrimentos psíquicos de uma geração. O que a aflige mais e procura verter aos seus textos?

Escrevo para pensar o que, de outro modo, seria impensável. A escrita me permite ser corajosa e olhar para as zonas escuras e difíceis. Escrevendo me transformo: posso criar um tempo distinto, uma sensibilidade que antes não existia em mim. Costumo pensar no medo e na violência porque somente através da escrita consigo ver a beleza que existe na fragilidade humana.

monica-ojeda
(Foto: Gianella Silva/Reprodução)

Acredita que a literatura, inclusive o gênero terror, nos ajuda a reconhecer e a enfrentar nossos medos e temores existenciais?

Uma personagem de Mandíbula diz que é preciso entrar no medo. E acredito nisso: só entrando no medo podemos entendê-lo e impedir que ele nos domine. Fugir não é uma possibilidade. Além disso, o medo sempre nos abre a porta a uma revelação. Tanto é que, às vezes, desejamos aquilo que permanece do outro lado do medo, e isso que está no outro lado é nada mais nada menos que nós mesmos.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.