Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Coluna da Lucilia

Por Lucilia Diniz
Um espaço para discutir bem estar, alimentação saudável e inovação
Continua após publicidade

Saberes nórdicos

O que a vida e a cozinha escandinavas nos ensinam

Por Lucilia Diniz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 10 Maio 2024, 08h46 - Publicado em 6 out 2023, 06h00

A Escandinávia é distante de nós, não só em termos geográficos. O imaginário popular sobre a região se compõe de paisagens nevadas e fiordes que esculpem penhascos, onde um povo belo vive um sonho de inverno. Mas um giro por lá, como o que acabo de fazer, mostra uma realidade mais diversa.

Ainda que o começo do outono nórdico tenha nos recebido com temperaturas agradáveis, estar no gelado topo do globo impõe desafios. Se Suécia, Finlândia e Dinamarca figuram entre os dez países mais inovadores do mundo, deve ser porque “a necessidade é mãe da invenção”.

Há anos, eles exportam tendências de bem-estar, como o hygge dinamarquês (atitude que valoriza o aconchego e que se traduziria em ambientes intimistas e vida desacelerada) ou o sisu finlandês (algo como “força interior”, que revela uma alma resiliente e desbravadora).

“Se é possível ser feliz e tão saudável com um frio inclemente, por que não sob a luz tropical?”

Continua após a publicidade

Essas ideias ganham simpatia mundial porque os escandinavos estão sempre na lista dos povos mais felizes do mundo, assunto que já abordei aqui. O planeta todo se indaga sobre o segredo dessas pequenas nações. Digo que passa pela sobriedade. Aliás, são bastante discretos com os turistas, dispensando comentários empolgados sobre o Brasil e os brasileiros, como tantas vezes ouvimos em encontros com habitantes de outros países.

Indo além do soft power, há algo cotidiano em que eles se destacam. Falo da comida, que ilustra bem a inovação, a simplicidade e o clima locais. Nas últimas décadas, o bloco nórdico vem divulgando as bases de sua alimentação. Esqueça as latas de biscoitos, o bacalhau e o salmão. A filosofia é valorizar o que vem dali, tanto por sustentabilidade quanto por frescor. Daí preferirem alimentos da estação, mesmo que sejam nabos e batatas por muitos meses, até o verão trazer abundância. Os grãos são integrais e os alimentos, pouco processados.

Os preparos são simples. No dia a dia, sanduíches abertos — uma fatia de pão, em geral com peixe, como o arenque. Condimentos apenas sublinham os sabores naturais. Lembra a dieta mediterrânea, mas sem o azeite, já que as oliveiras são do sul. O óleo comum é o de canola, planta mais afeita a climas frios, usado com moderação (poupando calorias). A ênfase nos legumes e nos carboidratos complexos e o consumo comedido de laticínios fazem até a comfort food ser mais leve.

Continua após a publicidade

Em 2018, a OMS destacou a alimentação escandinava como uma das mais saudáveis do mundo. Neste ano, voltou a elogiar o bloco pelas recomendações nutricionais que privilegiam vegetais e pescados, pensando na saúde e no meio ambiente — o foco em sustentabilidade tem sido central nos posicionamentos dos nórdicos sobre nutrição. Esse empenho não está livre de contradições. Parte polpuda da receita da Noruega vem da exploração de petróleo e gases naturais, e a Finlândia se orgulha de colocar, ao lado dos banhos gelados, a carne de rena como um dos ingredientes de sua felicidade.

Os contrastes, porém, são também uma lição para nós. Se é possível ser tão feliz e saudável com um frio inclemente, por que não sob a luz tropical? Nosso clima nos dá de tudo. Podemos comer bem como eles, com menos esforço. Nosso agronegócio é forte e moderno, temos commodities, combustíveis e energia limpa. Deveríamos aprender com os escandinavos a assumir nosso lugar, o de país da fartura, capaz de conciliar a pujança econômica e um futuro sustentável.

Publicado em VEJA de 6 de outubro de 2023, edição nº 2862

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.