Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Coluna da Lucilia Por Lucilia Diniz Um espaço para discutir bem estar, alimentação saudável e inovação

Armadilhas da autossabotagem

Quando o cérebro inventa mil motivos para permanecermos na zona de conforto

Por Lucília Diniz 28 jul 2022, 18h40

Conhecemos o roteiro de cor: a nova dieta vai bem até que, algum tempo depois, aumentam as desculpas para saborearmos uma guloseima “só hoje”. As “escapadas” vão ficando mais frequentes e, quando se vê, os maus hábitos estão todos de volta. E o projeto de construção de um estilo de vida mais saudável acaba desmoronando como um castelo de cartas.

Curiosamente, as pessoas percebem que estão montando pequenas armadilhas para elas mesmas, sabendo no fundo que cairão nelas. E também sabem que se sentirão um lixo ao final desse processo, mas nada podem fazer para evitar este enredo que acaba virando um ciclo vicioso, bizarro e cruel.

Por que nós, às vezes, boicotamos nossos próprios esforços? A psicologia tem um nome para isso: autossabotagem, mecanismo utilizado por muitas pessoas para contornarem o medo da frustração. Pessoas que geralmente desenvolvem uma relação de amor e dependência de suas auto-imagens confusas e contraproducentes. Imagens que, de certa forma, as ajudam a navegar pela vida, ainda que logicamente queiram mudá-las. Mas a autossabotagem é um processo em que a lógica não prevalece.

Perante um desafio ou mudança de vida impactante, nosso cérebro pode inventar dezenas de justificativas para continuarmos na chamada zona de conforto. É como se a mente dissesse: “Já que tudo pode dar errado, melhor nem tentar”. Isso explica muita coisa. Na infância e adolescência, o branco na hora de uma prova importante. Na vida adulta, o adiamento da mudança de emprego pela enésima vez, ou o fato daquele projeto de abrir um negócio próprio nunca sair do papel. Para além das limitações e dificuldades reais, esses são exemplos clássicos de como o medo de fracassar pode ser paralisante.

Um estudo da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, indica que ficamos mais propensos à autossabotagem quando estamos muito concentrados. Ou seja, seria justamente quando mais nos esforçamos que começamos a buscar justificativas para abandonar um projeto pela metade, escapando, com isso, da possibilidade de fracassar. A preocupação excessiva com uma dieta, por exemplo, raramente leva a bons resultados. Afinal, ninguém consegue pensar 24 horas por dia no que comeu ou deixou de comer. Essa tensão acumulada nos leva, em algum momento, a puxar nosso próprio tapete.

O que isso ensina? Para começo de conversa, vale aquele ditado: “O ótimo é inimigo do bom”. Ou seja, façamos sempre o melhor possível, mas conscientes de que perfeição não existe, a não ser como meta. Toda empreitada está sujeita a imprevistos, a adaptações e improvisos no meio do caminho. Se não levarmos isso em conta, a frustração se torna inevitável. É essa incapacidade de aceitar percalços que ativa o mecanismo mental da autossabotagem.

É normal experimentar algum receio diante do que é incerto. Aristóteles já dizia que a coragem é um meio termo entre o medo pusilânime e a confiança arrogante, e que, portanto, não há coragem sem alguma dose de prudência. O problema, como sempre, são os extremos.

Encare com leveza as frustrações. Elas são parte da vida. Confortando o lado medroso do cérebro, não lhe faltará coragem para avançar sem o risco de atirar no próprio pé.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)