Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Clarissa Oliveira Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores

Lula vive enorme dilema na PEC Kamikaze e teme dar munição a Bolsonaro

Campanha petista ainda avalia melhor estratégia para responder ao pacote eleitoreiro do governo, mas enxerga riscos no curto e longo prazos

Por Clarissa Oliveira 2 jul 2022, 14h42

O avanço da PEC Kamikaze, que reúne o novo pacote de bondades eleitoreiras do Jair Bolsonaro, acendeu o sinal amarelo na campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O time petista fala em “armadilha”. Sabe bem que a proposta vai pressionar ainda mais a inflação e criar um estrago nas contas públicas que será herdado por um eventual novo governo. Mas ninguém ali quer ir contra iniciativas que gerem um alívio imediato no bolso do consumidor.

+Leia também: Bolsonaro alimenta seu maior inimigo com ‘bondades’ não calculadas

Nos últimos dias, Lula incorporou o tema ao discurso, mas não saiu de cima do muro. O petista acusou Bolsonaro de tentar “comprar o povo brasileiro”. Mas insistiu que a população tem que “colocar a mão no dinheiro”, com o aumento do Auxílio Brasil para R$ 600, por exemplo. E, enquanto a presidente do PT, Gleisi Hoffmann chamava a PEC de “vergonhosa”, o partido votava a favor do projeto no Senado. E ainda acusava uma falta de orientação por parte da cúpula da legenda.

A dúvida maior, neste momento, é como tratar desse assunto na esfera judicial. A campanha avalia se há uma forma de contestar judicialmente o movimento de Bolsonaro, sem amargar o impacto eleitoral desse ataque. A equipe jurídica da campanha até levantou argumentos para questionar a PEC, ainda sem saber se esse poder de fogo será usado de alguma forma. O ideal, disse um integrante da campanha petista à coluna, seria encontrar uma forma de minar a PEC, sem que Lula e parlamentares do partido sejam protagonistas desse movimento.

Parte da campanha de Lula acredita que ainda pode acontecer algo semelhante ao que ocorreu até agora com o programa Auxílio Brasil. Apesar da elevação do valor do benefício para R$ 400, a reformulação do programa Bolsa Família até hoje não rendeu a Bolsonaro os frutos que sua campanha esperava. O eleitor, segundo as pesquisas de intenção de voto, não associa o benefício ao atual governo. Sem contar que o poder de compra do Auxílio foi corroído em parte pela inflação. Mas nada disso muda o fato de que o estrago nas contas públicas vai ficar para quem assumir o governo em 2023.

Outra ala do time petista é bem menos otimista. Esse grupo insiste que o vale-tudo de Bolsonaro pode dar resultado no curto prazo, convencendo parte do eleitorado a dar mais um voto de confiança ao governo. Seria uma forma de o presidente aumentar sua competitividade na corrida presidencial e garantir um segundo turno. A tese é que, se Bolsonaro souber criar uma ilusão de que o Brasil vai melhor na Economia, pode haver um prejuízo irreversível para Lula na disputa.

+Veja também: Nova rodada da pesquisa Datafolha traz balde de água fria para Bolsonaro 

 

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)