Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

CannabiZ Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por André Sollitto e Ricardo Amorim
Novidades e reflexões sobre o mercado da cannabis legal, no Brasil e no mundo
Continua após publicidade

A relação direta entre uso contínuo de maconha e perda de peso

Pesquisadores analisaram dados de ratos que receberam doses contínuas de THC para entender como a cannabis afeta o índice de massa corporal

Por André Sollitto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 16 Maio 2024, 00h04 - Publicado em 6 jun 2023, 11h19

Há uma conhecida relação entre o consumo da maconha e a sensação de fome, de estômago vazio. O fenômeno, conhecido popularmente como larica, está relacionado ao efeito causado pelo THC em alguns receptores cerebrais é semelhante ao ato de pular uma refeição, provocando o aumento do apetite. Esse efeito não apenas é bastante conhecido e documentado, como pacientes sofrendo com falta de apetite podem se beneficiar de tratamentos à base de cannabis.

Agora, um novo estudo sugere que embora o uso da maconha aumente o apetite em curto prazo, os efeitos do consumo por períodos maiores de tempo faz com que os usuários frequentes tenham menor índice de massa corporal (IMC) do que pessoas que não usam a erva com regularidade.

Por conta de limitações regulatórias, a análise foi feita com modelos a partir de dados coletados em ratos de laboratório. Animais adolescentes dos sexos masculino e feminino receberam doses diárias de THC (5 miligramas por quilo), e os pesquisadores perceberam que aqueles que receberam o THC ganharam significativamente menos peso em comparação com o grupo de controle.

Embora o IMC mais baixo possa ser visto como um fator positivo, o consumo frequente, especialmente em um período de desenvolvimento do corpo, pode ser problemático. “Nossos resultados mostram que interferir na sinalização endocanabinóide durante a adolescência interrompe a função dos órgãos adiposos de forma permanente, com consequências potencialmente de longo alcance na saúde física e mental”, diz o pesquisador Daniele Piomelli, diretor do centro de estudos de cannabis da Universidade da Califórnia Irvine, responsável pelo estudo, em comunicado à imprensa.

Continua após a publicidade

Além disso, os animais que receberam as doses contínuas de THC eram parcialmente resistentes à obesidade e hiperglicemia, mas tinham temperatura corporal mais alta que o normal e não eram capazes de mobilizar energia de depósitos de gordura.

Os pesquisadores ainda precisam de mais estudos para compreender a relação entre THC e as mudanças corporais em adolescentes, mas os resultados indicam as células de gordura modificadas pelo uso contínuo podem afetar a capacidade de armazenar e liberar nutrientes, o que prejudicaria processos mentais, como a atenção.

A pesquisa foi feita por profissionais da Universidade da Califórnia Irvine e publicado no periódico científico Cell Metabolism.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.