Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Balanço Social Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Andréia Peres
Um olhar diferente para as desigualdades do Brasil
Continua após publicidade

Mulheres ainda têm baixa representatividade na política

Apenas 16% dos vereadores do país são mulheres e mais da metade das cidades brasileiras não tem nenhuma mulher negra na Câmara Municipal

Por Andréia Peres Atualizado em 9 Maio 2024, 12h06 - Publicado em 23 abr 2024, 09h04

Fiz várias matérias sobre mulheres na política e uma delas, em especial, me marcou. Ao entrevistar uma secretária de Assistência Social do município de São Paulo sobre discriminação, ela me contou que, ao se apresentar como secretária, ouvia quase sempre uma pergunta: “secretária de quem?”.

O episódio aconteceu nos anos 90. Felizmente, hoje não há mais tamanho estranhamento com a ascensão feminina na política, mas a baixa representatividade continua, sim, chamando a atenção.

Neste ano, teremos eleições municipais e os dados são “alarmantes”, segundo o Centro Feminista de Estudos e Assessoria (Cfemea).  Levantamento feito pela organização em relação aos números das últimas eleições municipais (2020) apontam que as mulheres representam apenas 16% dos vereadores do país. Somente 13% dos municípios brasileiros têm uma mulher como prefeita e nenhuma capital é comandada por mulher.

Quando se faz o recorte racial, a situação é ainda pior. Mulheres negras são 6% do total de vereadores e estão em 4% das prefeituras do país, o menor grupo nesse cargo; 53% das cidades brasileiras não têm nenhuma mulher negra na Câmara Municipal.

Continua após a publicidade

As mulheres são a maioria do eleitorado (52,6%) no Brasil e seu voto tem sido considerado decisivo nas eleições. Campanha coordenada pelo Cfemea e pela Rede de Desenvolvimento Humano (Redeh) para o pleito eleitoral de 2022, denominada “Meu voto vale muito”, chamou a atenção para a necessidade de superar a baixa representatividade das mulheres na política, contribuindo para uma democracia mais representativa.

“As candidaturas das mulheres ainda são subfinanciadas”, critica Isabel Freitas, assessora técnica do Cfemea, em entrevista a esta coluna. “Foi aprovado um fundo eleitoral bilionário para as eleições municipais deste ano e ele precisa ser democratizado”, afirma. Segundo ela, é necessário que haja justiça na distribuição desses recursos. Ou seja, eles também devem contemplar as mulheres, especialmente as negras, e populações quilombola, indígena, LGBTQIAP+, entre outras.

Além de recursos, para aumentar a representatividade das mulheres na política, a especialista acredita que os partidos precisam dar às candidatas as ferramentas necessárias para que elas tenham sucesso nas eleições, como tempo de TV e de rádio e materiais de divulgação de qualidade.

Continua após a publicidade

Em tempos de fake news e de ataques gratuitos, Isabel também considera importante que os Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) façam campanhas de conscientização e informação sobre violência política, abrindo possibilidades para que as mulheres e outros grupos historicamente marginalizados dos processos de representatividade eleitoral possam denunciar esses casos. “Essas candidaturas precisam saber onde denunciar, além de ter a garantia de investigação, rápida apuração e responsabilização de quem pratica esse tipo de violência”, diz.

Em 24 de fevereiro de 2024, o voto feminino completou 92 anos. Quase um século depois, a luta continua.

* Jornalista e diretora da Cross Content Comunicação. Há mais de três décadas escreve sobre temas como educação, direitos da infância e da adolescência, direitos da mulher e terceiro setor. Com mais de uma dezena de prêmios nacionais e internacionais, já publicou diversos livros sobre educação, trabalho infantil, violência contra a mulher e direitos humanos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.