Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Bahia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por VEJA Correspondentes
Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens baianos.
Continua após publicidade

Governador da Bahia, Rui Costa sobe o tom das críticas a Bolsonaro

Petista afirmou que há um 'grande apagão' no Ministério da Educação e um 'desgaste internacional' do Brasil

Por Rodrigo Daniel Silva
10 abr 2019, 15h29

Opositor ferrenho no governo do ex-presidente Michel Temer (MDB), o governador da Bahia, Rui Costa (PT) adotou um tom cauteloso no início da gestão de Jair Bolsonaro (PSL). No entanto, nos últimos dias, o petista baiano tem mudado o tom e partiu para críticas à administração do capitão reformado.

Nesta terça-feira, 9, Rui Costa disse que, em três meses de governo, há um “grande apagão” no Ministério de Educação (MEC), que teve substituição no comando com a saída de Ricardo Vélez Rodríguez e a nomeação de Abraham Weintraub. O governador afirmou, ainda, que há um “vazio de propostas” no governo Bolsonaro e que, com a nova gestão, há um “desgaste internacional” do Brasil.

“Alguém poderá dizer que, em 100 dias, não dá para fazer grandes coisas. Tenho até concordar. Mas, em 100 dias, é possível planejar, anunciar os caminhos que vão seguir em cada pasta. O que causa perplexidade é o completo vazio de ideias, de propostas, de planejamento que há no governo. O que nos deixa assustado com o futuro do nosso país”, declarou.

Na semana passada, Rui também fez duras críticas a Bolsonaro. Em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, afirmou que o presidente, até agora, só fez “pregação ideológica”. “Está ocorrendo uma saturação rápida dessa agenda e, se ele insistir, eventualmente chegará ao limite do desgaste e da ingovernabilidade”, ressaltou.

Continua após a publicidade

Uma semana antes, após uma reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, o governador criticou “arrogância” dos interlocutores do governo. “A condução da reunião foi toda no sentido de afrontar e não de promover consenso. Nunca vi ninguém conquistar alguém com ameaça, agressão, sendo arrogante”, afirmou, em entrevista ao jornal Valor Econômico.

Disse, ainda, que era “lamentável” o presidente “querer prolongar eternamente o debate eleitoral, a beligerância”. “Um governante que escolhe como modelo estender a guerra eleitoral e fixar em valores que não são os valores da nação, não sei onde quer chegar”, condenou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.