Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Vejam o achado do Setti: Lula quer censurar a imprensa (pelo menos) desde 1989

Publicado na coluna do Ricardo Setti “Não existe no mundo alguém que tem o poderio que tem a Rede Globo no Brasil”. “É uma provocação ao Estado, é uma provocação às instituições”. Esses exageros apocalípticos são alguns dos comentários feitos por Lula sobre (e contra) a Rede Globo de Televisão a 8 de agosto de […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 01h45 - Publicado em 27 mar 2015, 16h36

Publicado na coluna do Ricardo Setti

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=_9q7gNfjm6w?feature=oembed&w=500&h=375%5D

“Não existe no mundo alguém que tem o poderio que tem a Rede Globo no Brasil”.

“É uma provocação ao Estado, é uma provocação às instituições”.

Esses exageros apocalípticos são alguns dos comentários feitos por Lula sobre (e contra) a Rede Globo de Televisão a 8 de agosto de 1989, no programa “Roda Viva”, da TV Cultura, parte da série de entrevistas com os presidenciáveis daquele ano.

Foi em resposta a uma pergunta que eu lhe fiz a respeito das declarações do então candidato Leonel Brizola, do PDT, em relação ao que chamava, impropriamente, de “monopólio da Globo”, contra o qual — dizia Brizola — ele tomaria providências no primeiro dia de governo, se eleito.

Ou seja, Lula, já naquele tempo — confiram no vídeo –, queria “regular a mídia”, palavrório bonito para significar o controle bolivariano sobre a imprensa independente, tal como passou a defender o setor mais radical do PT depois que o partido chegou ao poder, hoje capitaneado pelo comissário Ricardo Berzoini, “ministro das Comunicações”.

Na época desta entrevista, eu era diretor regional do Jornal do Brasil em São Paulo. E o apresentador do Roda Viva, tal como hoje, era Augusto Nunes.

Houve problemas de áudio quando eu me dirigia a Lula, como vocês constatarão.

Continua após a publicidade

Publicidade