Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O sobrinho de Zeca do PT que debochou das manifestações de 2015 testou a popularidade como candidato a vereador. Continua grogue com a surra que levou nas urnas

Marcelo Heitor foi o destaque do fiasco da coligação PT-PCdoB na eleição em Campo Grande

Por Branca Nunes Atualizado em 30 jul 2020, 21h37 - Publicado em 7 out 2016, 18h51

14068160_1044176348950879_1018421479172772482_n

BRANCA NUNES

“Deu não, né? Dilminha tá lá, né? Como é que faz? Muito bom, é delicioso ganhar da direitinha”, debochou Marcelo Heitor no vídeo que, publicado nas redes sociais em 2015, fez emergir do oceano dos anônimos o sobrinho de Zeca do PT, ex-governador de Mato Grosso do Sul e hoje deputado federal. Alternando risadinhas e fungadas, Marcelo Heitor debochava das manifestações que, em 15 de março, levaram às ruas mais de 2 milhões de brasileiros.

Animado com o fulminante sucesso de público (e indiferente ao portentoso fracasso de crítica), o filho impetuoso do prefeito de Porto Murtinho achou uma boa ideia testar a popularidade nas urnas: neste ano, candidatou-se a vereador de Campo Grande (MS) pelo PCdoB. No último post publicado em sua página no Facebook, em 1º de outubro, ele agradeceu o “carinho da população” e buscou socorro na Bíblia: “Sei de onde venho e para onde vou. Como diz a carta de Paulo Timóteo, combati o bom combate, venci a carreira e guardei a fé. Um beijo no coração de cada um de vocês e até a vitória, se Deus quiser”.

No dia seguinte, soube que o apelo à Divina Providência não foi ouvido pelos campo-grandenses. Com míseros 504 votos (0,12% do total e menos de um quinto dos seus pouco mais de 2.600 seguidores no Facebook), Marcelo Heitor foi rebaixado a um desmoralizante 178º lugar na disputa. Além de não eleger um único vereador, a coligação PT-PCdoB amargou o 6º lugar na disputa pela prefeitura com o candidato Alex do PT.

Surrado impiedosamente pelo eleitorado, agora é Marcelo Heitor o destinatário da pergunta que endereçou ao país que presta em março de 2015: “Deu não, né?”

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=IBjudsPHdVo?feature=oembed&w=500&h=375%5D

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)