Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Relatório alerta sobre os pontos de não retorno do sistema climático

Assinado por mais de 200 cientistas, levantamento foi apresentado na COP28 e pede medidas urgentes para reverter 'trajetória desastrosa' da humanidade

Por José Tadeu Arantes, Agência Fapesp
6 dez 2023, 10h28

Um relatório científico internacional sobre os “pontos de não retorno” do sistema climático foi apresentado na 28ª Conferência das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, a COP28, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

O Global Tipping Points Report (Relatório Global sobre Pontos de Não Retorno, em tradução livre) foi produzido por uma equipe internacional de mais de 200 pesquisadores, coordenada pela University of Exeter, no Reino Unido, em parceria com o Bezos Earth Fund. Entre os signatários está o pesquisador Cristiano Mazur Chiessi, professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP).

O relatório é a avaliação mais abrangente sobre o tema já realizada e alerta sobre a “trajetória desastrosa” seguida atualmente pela humanidade. O documento destaca que a urgente eliminação do uso de combustíveis fósseis e a correspondente adoção de soluções capazes de zerar o balanço de carbono de origem antrópica são cruciais para o futuro de bilhões de pessoas.

“Os pontos de não retorno no sistema terrestre representam ameaças de uma magnitude nunca enfrentada pela humanidade”, diz o professor Tim Lenton, diretor do Global Systems Institute (GSI) da University of Exeter e coordenador do relatório. “Podem desencadear efeitos dominó devastadores, incluindo a perda de ecossistemas inteiros e da capacidade de cultivo de culturas básicas, com impactos sociais que incluem deslocamentos em massa, instabilidade política e colapso financeiro”, continua.

Transformações qualitativas

“Pontos de não retorno”, ou limiares críticos do sistema climático, ocorrem quando as mudanças se tornam autossustentáveis, levando a transformações qualitativas em seu modo de funcionamento.

Um exemplo é o processo de degradação da floresta amazônica. O bioma responde à degradação com a regeneração, mas a degradação pode atingir um tal patamar que, se não for urgentemente interrompida, a floresta tende a chegar, em pouco tempo, a um ponto no qual já não consiga mais se regenerar e manter suas feições próprias. A partir desse limiar crítico, em vez de ser predominantemente uma armazenadora de carbono, a floresta se transformaria em emissora, intensificando o aquecimento global.

Continua após a publicidade

Conforme o relatório, “a existência de limiares críticos e a iminência do atingimento de alguns deles concedem a este tema a mais alta importância”.

Com base em uma avaliação de 26 pontos de não retorno negativos, o relatório conclui que “continuar do jeito que está não é mais possível”, com mudanças rápidas na natureza e nas sociedades já acontecendo e outras ainda mais intensas a caminho. Com o aquecimento global na iminência de ultrapassar o patamar crítico de 1,5°C em relação aos níveis pré-industriais, pelo menos cinco pontos de não retorno do sistema terrestre podem vir a ocorrer, incluindo o colapso dos grandes mantos de gelo do planeta.

Circulações oceânica e atmosférica

Chiessi é o coautor dos capítulos 1.4 “Tipping points in ocean and atmosphere circulations” (Pontos de não retorno nas circulações oceânica e atmosférica) e 1.5 “Climate tipping point interactions and cascades” (Interações e efeitos cascata dos pontos de não retorno climáticos). Esses capítulos apresentam intrínseca relação com seu projeto de pesquisa Perspectivas pretéritas sobre limiares críticos do sistema climático: a Floresta Amazônica e a célula de revolvimento meridional do Atlântico, apoiado pela Fapesp.

“A Célula de Revolvimento Meridional do Atlântico é de especial interesse, pois leva águas superficiais quentes do Atlântico Sul para o Atlântico Norte e traz da porção setentrional para a porção meridional águas profundas e frias. O monitoramento dessa circulação mostra que ela está enfraquecendo e pode ultrapassar seu limiar crítico em um futuro relativamente próximo. Se isso acontecer, uma série de consequências negativas são esperadas, como a diminuição das chuvas sobre o norte da Amazônia e a redução da capacidade de o oceano Austral capturar CO2 da atmosfera”, afirma Chiessi.

Um subtema muito importante tratado pelo pesquisador é o dos efeitos cascata entre diferentes compartimentos do sistema climático que possuem limiares críticos. O efeito cascata ocorre quando um compartimento do sistema que ultrapassou seu ponto de não retorno desestabiliza outro compartimento, que, em consequência, também ultrapassa seu limiar crítico.

Continua após a publicidade

“O derretimento das geleiras da Groenlândia, por exemplo, deve causar um substancial enfraquecimento da Célula de Revolvimento Meridional do Atlântico, que, por sua vez, forçará o colapso das florestas tropicais localizadas no norte da América do Sul, da África Equatorial e da Oceania, além do sul da Península Asiática. As reconstituições do clima do passado geológico, que nosso grupo de pesquisa tem realizado, nos mostram claramente que o efeito cascata é uma ocorrência comum e altamente preocupante”, informa Chiessi.

Recomendações

O relatório apresenta seis recomendações-chave: interromper a utilização de combustíveis fósseis e as emissões provenientes de mudanças no uso do solo muito antes de 2050; fortalecer os mecanismos de adaptação e de governança de perdas e danos, reconhecendo as desigualdades existentes entre e dentro das nações; incluir pontos de não retorno no Inventário Climático Global e nas Contribuições Nacionalmente Determinadas; coordenar os esforços políticos para promover pontos de não retorno positivos; convocar uma reunião de cúpula global urgente sobre pontos de não retorno; e aprofundar o conhecimento dos pontos de não retorno.

A equipe de pesquisa apoia convocatórias para um evento especial do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), da Organização das Nações Unidas, sobre pontos de não retorno. “O relatório é resultado de um grande esforço de mais de 200 cientistas dedicados ao tema. Ele faz um alerta urgente aos governos e também chama todos os cidadãos e cidadãs para diminuir as emissões de gases do efeito estufa e evitar que limiares críticos negativos sejam atingidos”, resume Chiessi.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.