Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Muralha da idade da pedra pode ser a mais antiga megaestrutura europeia

Construído antes do aumento do nível do mar, canal pode ter servido para auxiliar caça de renas

Por Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 13 fev 2024, 12h36 - Publicado em 13 fev 2024, 12h35

Quando estudavam crostas de manganês em uma formação no fundo do mar báltico, na porção alemã da baía de Mecklemburgo, um grupo de geólogos fez uma descoberta curiosa: uma muralha. Depois de examinar mais detidamente a construção, chegaram à conclusão de que descobriram a mais antiga megaestrutura já encontrada na Europa. 

Localizada a cerca de 10 quilômetros mar adentro, na altura da costa da cidade de Rerik, na Alemanha, a estrutura está a 21 metros de profundidade e consiste em 1500 rochas conectando alguns matacões. “As nossas investigações indicam que não é muito provável uma origem natural do muro de pedra subaquático”, afirma Jacob Geersen, pesquisador envolvido no estudo e autor do artigo publicado no periódico científico Proceedings of the National Academy of Sciences, em comunicado. “A disposição metódica das muitas pequenas pedras que conectam as grandes pedras imóveis argumenta contra essa ideia.”

De acordo com os autores, a estrutura muito provavelmente foi construída por ​grupos caçadores-coletores, na idade da pedra. A principal teoria é a de que o muro tinha como objetivo conduzir renas, um alimento comum daquela época, para próximo de um lago, onde elas seriam mais facilmente abatidas. 

Quando foi construída?

A datação precisa das rochas ainda não foi feita, mas os autores estimam que a estrutura tenha sido construída há mais de 10 mil anos atrás. Eles acreditam nisso porque essa região foi alagada logo após o fim da última era glacial, há 8,5 mil anos, e, portanto, a muralha é mais antiga que isso. 

Continua após a publicidade

Além desse fato, os registros históricos apontam que os últimos rebanhos de rena da região desapareceram há cerca de 11 mil anos, quando o clima ficou mais quente e as florestas começaram a se espalhar, tornando o habitat menos propício a sobrevivência dessa espécies. Isso tornaria essa megaestrutura a mais antiga já encontrada no continente. 

Nos próximos meses os pesquisadores tentarão confirmar essa teoria, procurar um segundo muro que pode estar escondido sob o sedimento e investigar as localidades em busca de estruturas semelhantes. “Temos evidências da existência de paredes de pedra comparáveis ​​em outros locais da baía de Mecklemburgo”, diz o coautor do estudo, Jens Schneider von Deimling. “Estes também serão sistematicamente investigados.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.