Clique e assine a partir de 9,90/mês

Homem-Aranha é grande demais para ‘grudar’ em paredes, dizem cientistas

De acordo com estudo publicado esta semana, para poder caminhar por superfícies verticais, os homens deveriam ter 40% o corpo coberto com "adesivos" ou mãos e pés com mais do dobro do tamanho

Por Da Redação - Atualizado em 6 maio 2016, 15h59 - Publicado em 20 jan 2016, 15h13

Um time de cientistas frustrou nesta semana os fãs mais “criativos” da Marvel: o Homem-Aranha nunca existiria no mundo real. Um estudo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), revela que, devido ao seu tamanho, o ser humano deveria ter, pelo menos, 40% de seu corpo coberto com “garras” microscópicas que garantissem uma superfície adesiva. Caso contrário, caminhar pelas paredes, só por meio de computação gráfica.

Leia também:

Stephen Hawking: avanços científicos e tecnológicos são ameaça à humanidade

Conheça as três novas espécies de ‘sapos em miniatura’ do Brasil

Continua após a publicidade

A pesquisa, realizada por uma equipe internacional, mostra que a capacidade de um animal para se “grudar” em superfícies verticais depende da relação entre seu peso e o tamanho de sua superfície de contato: conforme o tamanho do animal aumenta, maior deve ser a proporção da superfície que o faz aderir à superfície.

Desafio evolutivo – Conforme a pesquisa, animais pequenos como as aranhas, formigas ou lagartos, necessitam de uma área menor que “grude” (equivalente a, no máximo, 4,5% da superfície corporal), uma vez que são espécies leves. O grande problema para os humanos é que nosso tamanho não aumenta de maneira equivalente à superfície de contato com o solo, o que impossibilita que nós andássemos pelas paredes dos prédios. Na prática, as mãos e pés do Homem-Aranha deveriam ser enormes – provavelmente mais que o dobro do tamanho de um ser humano comum – ou ele deveria se arrastar, como um caracol. Nas métricas americanas, ele calçaria número 114.

Segundo David Labonte, do departamento de zoologia da Universidade de Cambridge e um dos autores do estudo, o tamanho de um lagarto é o limite para garantir esta “habilidade grudenta”.

Outras espécies, tais como os sapos, desenvolveram um meio diferente de lidar com o aumento de tamanho: em vez de aumentar suas patas, eles aumentaram a viscosidade presente nelas, o que garante que eles se fixem melhor sobre as superfícies. “Este é um bom exemplo de restrição evolutiva e de inovação”, afirmou Christofer Clemente, da escola de ciência e engenharia da University of the Sunshine Coast e co-autor do estudo.

Continua após a publicidade

Seja como for, o Homem-Aranha ainda deve depender por muito tempo da tecnologia para “existir”.

(Da redação)

Publicidade