Clique e assine a partir de 9,90/mês

Fósseis revelam última refeição de gigante pré-histórico

Réptil marinho de cinco metros teria se alimentado de outro grande animal há 230 milhões de anos

Por Sabrina Brito - Atualizado em 20 ago 2020, 16h09 - Publicado em 20 ago 2020, 15h42

Um novo estudo, publicado nesta quinta-feira, 20, no periódico científico iScience relevou a descoberta do fóssil de um animal que, por sua vez, aparentava estar dentro do fóssil de um gigantesco réptil marinho. Os resquícios foram encontrados na China em 2010 e devem datar de 230 milhões de anos atrás.

Segundo os cientistas envolvidos no artigo, o réptil teria tido quase cinco metros de comprimento e seria um ictiossauro, espécie de animal semelhante a um golfinho. Dentro de seu abdômen, os pesquisadores constataram a presença de outro réptil marinho, pertencente ao gênero Xinpusaurus, maior que um ser humano adulto.

Possivelmente, se trata do mais antigo registro de uma predação de animais grandes por um réptil marinho na história. Os especialistas concebem duas opções para esse evento: o ictiossauro pode ter caçado o xinpusaurus ou encontrado seu cadáver acidentalmente e se alimentado dele.

De acordo com eles, a primeira opção é a mais provável, já que os restos do réptil menor estavam relativamente bem preservados. Apesar do avanço, os cientistas ainda reiteram a possibilidade de que os fósseis estivessem simplesmente um em cima do outro, em vez de dentro.

Representação artística do ictiossauro
Representação artística do ictiossauro – Heinrich Harder/Domínio Público
Continua após a publicidade
Publicidade