Clique e assine a partir de 9,90/mês

Com avanço de praga, a banana pode entrar em extinção, diz estudo

Pesquisa publicada no periódico 'Plos Pathogens' revela como a disseminação do mal do Panamá, praga provocada por um fungo, põe em risco a fruta mais popular do mundo

Por Da Redação - Atualizado em 6 Maio 2016, 16h00 - Publicado em 2 dez 2015, 13h01

A banana pode estar com os dias contados. A ameaça à fruta tropical mais popular do mundo é um fungo, que provoca uma variação do mal do Panamá – praga conhecida como Tropical Race 4, ou TR4. A doença está avançando lentamente por diversas partes do mundo, pondo em risco um comércio que movimenta 11 bilhões de dólares anualmente. A conclusão é de um estudo da Universidade de Wageningen, na Holanda, publicado em novembro na revista científica PLOS Pathogens.

“Sabemos que a origem [do TR4] está na Indonésia e que, a partir daí, se espalhou para Taiwan e depois para a China e o resto do sudeste asiático”, afirma Gert Kema, co-autor do estudo. Frustradas as tentativas de acabar com o fungo, descoberto na década de 1960, o pior pode acontecer se ele alcançar a América Latina, onde mais de três quintos das bananas exportadas no mundo são cultivadas. Na região está o maior exportador da fruta,o Equador, responsável por 23% das exportações em 2014.

Leia mais:

Mosquito transgênico pode ajudar a combater a malária

Continua após a publicidade

O primeiro crime do aquecimento global: o bacalhau sumiu

A conclusão do estudo não significa, no entanto, que se deve começar a comer compulsivamente bananas antes que a fruta desapareça. Os pesquisadores explicam que leva tempo para que o TR4 se espalhe. Ainda assim, eles alertam: quando isso acontece, o prejuízo causado aos produtores é inevitável. Em Taiwan, as exportações atuais correspondem a cerca de 2% do que era vendido ao exterior em 1960, quando o TR4 foi descoberto.

O TR4 é capaz de eliminar quatro quintos da produção de comunidades agrícolas em países pobres, que usam a fruta como alimento. Segundo os cientistas, há forte probabilidade de que o fungo causador da doença se espalhe pelo Oriente Médio, Sul da Ásia e África, colocando em risco cerca de 40% da produção mundial de banana.

(Da redação)

Publicidade