Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cientistas detectam oxigênio em Vênus

Elemento nunca tinha sido observado de forma direta no planeta vizinho a Terra

Por Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
7 nov 2023, 13h01

Investigar outros planetas é uma maneira importante de tentar entender melhor a Terra, o surgimento da vida e a evolução do universo. Apesar da crescente descoberta de exoplanetas, ainda há muito a ser compreendido no sistema solar, o que permite novidades surpreendentes de maneira periódica. A mais recente tem a ver com um dos nossos vizinhos mais próximos. De acordo com pesquisa realizada por cientistas alemães, a atmosfera de Vênus contém oxigênio. 

O artigo foi publicado nesta terça-feira, 7, no renomado periódico científico Nature Communications e revela a detecção direta desse componente na atmosfera do planeta. De acordo com os pesquisadores, a forma atômica, ou seja, o oxigênio livre de conexões com outros elementos, é formado na região diurna do Vênus, a partir da quebra do monóxido de carbono (CO) e do dióxido de carbono (CO2) que é efetivada pela luz solar. 

A detecção, no entanto, não foi feita apenas na região iluminada. Através do fluxo de gases, o oxigênio também chega a parte noturna do planeta, onde interage com outros componentes atmosféricos, dando origem a formas moleculares do elemento, como dioxigênio (O2), CO e CO2

SUPERFICIE - Nasa: simulação detalhada mostra hemisfério norte do planeta
SUPERFICIE – Nasa: simulação detalhada mostra hemisfério norte do planeta (NASA/Divulgação)

Essa não é a primeira vez que pesquisas sugerem a presença do átomo em Vênus, mas trabalhos anteriores só conseguiram fazer a detecção de maneira indireta e na região escura. A observação direta só foi possível devido ao Observatório Estratosférico de Astronomia Infravermelha (SOFIA), um avião utilizado para esse tipo de investigação científica.

Continua após a publicidade

O nível de detalhes proporcionados é surpreendente. Os pesquisadores conseguiram detectar o elemento em todos os 17 pontos analisados e observar que o pico de concentração fica a cerca de 100 quilômetros de altura, entre duas camadas diferentes da atmosfera. O novo achado reacende discussões existentes desde a década 1960 sobre a possibilidade de vida nas nuvens que cobrem o planeta, apesar do clima extremo. 

O achado foi considerado importante para os pesquisadores. Além de compreender o papel desse elemento no equilíbrio de energia que ocorre entre os gases, de acordo com os autores, em nota, “medições diretas do oxigênio atômico podem melhorar nossa compreensão de por que a atmosfera de Vênus é tão diferente da da Terra.” 

+ LEIA TAMBÉM: Movimentos tectônicos em Vênus podem ter possibilitado vida primitiva

Esse é um questionamento antigo. Os dois planetas são vizinhos no sistema solar e têm tamanhos muito parecidos, mas as semelhanças acabam aí. Além de Vênus não ter oceanos, a presença de placas tectônicas é questionada e ele tem uma atmosfera densa em dióxido de carbono, com pressão 90 vezes maior que a da Terra, o que faz com que a temperatura superficial seja muito superior à observada por aqui. Investigações futuras podem ajudar a compreender ainda melhor a extensão dessas disparidades e decifrar suas causas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.