Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Veículos são incendiados em Natal, e PM vê relação com facções

Dezessete ônibus e um carro do governo potiguar foram atacados por criminosos; Estado enfrenta crise nos presidios, que levou à morte 26 detentos

Por Da redação
Atualizado em 18 jan 2017, 20h51 - Publicado em 18 jan 2017, 20h15

Dezessete ônibus e um carro do governo do Rio Grande do Norte foram queimados na tarde desta quarta-feira em Natal (RN). Diante dos ataques, o Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário potiguar e as empresas de ônibus decidiram retirar os veículos das ruas e levá-los às garagens. Natal vive uma crise no sistema penitenciário após uma rebelião que matou 26 pessoas na Penitenciária de Alcaçuz, na Região Metropolitana, no último sábado. A Polícia Militar informou que os crimes têm relação com a disputa entre as facções criminosas.

De acordo com o tenente Emerson Menezes, do 1º Batalhão da PM, responsável pelo patrulhamento na Zona Leste da cidade, o carro a serviço do governo teve um princípio de incêndio após criminosos abordarem o veículo e expulsarem o motorista. Segundo o oficial, testemunhas informaram que os suspeitos pareciam menores de idade. Quatro deles foram presos pela PM.

O ataque aconteceu no bairro Mãe Luiza, onde 30 minutos depois, nas imediações da Praia do Meio, um ônibus também foi incendiado. “Cinco suspeitos com rostos cobertos entraram e mandaram o motorista descer, ateando fogo ao veículo na sequência”, diz o tenente.

Doze ônibus foram queimados na garagem da empresa São Geraldo, no bairro Felipe Camarão, e também houve incêndios nos bairros Vale Dourado, Brasília Teimosa, Parque dos Coqueiros e Bela Vista, este na cidade de Parnamirim, região metropolitana de Natal.

A Secretaria de Segurança Pública se reunirá na noite de hoje com o sindicato dos rodoviários e as empresas de ônibus para definir como será a circulação do transporte público amanhã.

Continua após a publicidade

Os incêndios criminosos, de acordo com a polícia, teriam relação com a disputa entre o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Sindicato do Crime (SDC), facção potiguar rival e aliada ao Comando Vermelho.

“Eles fazem isso para demonstrar poder de fogo e para intimidar. Mas a PM está na rua e vamos prender esses criminosos”, informou Menezes. Questionado se o ato teria relação com a briga em Alcaçuz, o tenente disse que “está tudo ligado”.

Em frente à penitenciária, no início da noite, mulheres protestavam contra a suposta transferência de membros do Sindicato do Crime para outra unidade, pedindo que fossem removidos os integrantes do PCC.

Continua após a publicidade

Elas chegaram a colocar fogo em entulhos na frente do presídio e foram dispersadas por policiais militares, que usaram spray de pimenta e dispararam para o alto, e agentes da Força Nacional, que reforçam a segurança do local. Elas repetiam que, caso a transferência se concretizasse, Natal iria viver uma noite de ataques perpetrados por membros do Sindicato do Crime que estão fora das cadeias.

A facção é apontada como a responsável por 108 ataques, entre eles incêndios contra veículos, em 38 cidades do Estado entre julho e agosto do ano passado em reação à instalação de bloqueadores de sinal de celular na Penitenciária de Parnamirim, na Grande Natal.

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.