Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

TJ separa processos de réus do incêndio em Santa Maria

Para agilizar procedimento, acusados de homicídio serão julgados separadamente dos réus que respondem por fraude processual e falso testemunho

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) determinou, nesta segunda-feira, a divisão dos processos dos acusados pelo incêndio na boate Kiss, em Santa Maria. Os quatro acusados por homicídio com dolo eventual (quando se assume o risco de matar) serão julgados separadamente dos outros acusados de fraude processual e falso testemunho. A intenção da Justiça é dar maior agilidade aos processos, principalmente dos casos que não respondem por homicídio.

De acordo com o TJ-RS, a comprovação dos crimes de fraude processual, cometido pelos bombeiros Gerson da Rosa Pereira e Renan Severo Berleze, e de falso testemunho, cometido pelo ex-sócio da boate Elton Cristiano Uroda e pelo contador Volmir Astor Panzer, depende apenas de provas documentais.

Leia também:

Eles sobreviveram ao inferno da boate Kiss

Para promotor, donos da Kiss assumiram o risco de matar

Temperatura dentro da boate Kiss passou dos 300°C

Já os acusados pela morte de 242 vítimas, os dois sócios da boate (Elissandro Spohr e Mauro Hoffmann) e dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira (Marcelo dos Santos e Luciano Augusto Leão), responderão diante de um tribunal do júri. Presos desde a tragédia, em janeiro deste ano, eles tiveram a liberdade provisória decretada pelo próprio TJ na última quarta-feira.

O Juiz Ulysses Louzada, da 1ª Vara Criminal de Santa Maria, pediu tanto à promotoria quanto à defesa que diminuam o número de testemunhas do processo – o máximo é de dezesseis. Os sobreviventes da tragédia prestam depoimento à Justiça entre a última semana deste mês e o início de julho.

(Com Estadão Conteúdo)