Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Quase 80% dos brasileiros são a favor da regulação das redes sociais

Pesquisa feita pela Atlas Intel aponta apoio à limitação das plataformas digitais em semana decisiva para o 'Projeto de Lei das Fake News'

Por Gustavo Silva
25 abr 2023, 10h06

Ás vésperas da divulgação do relatório do PL 2 630, o Projeto de Lei das Fake News, uma pesquisa realizada pela Atlas Intel revela que 78% dos brasileiros entendem que deve existir uma lei para estabelecer regras claras ao funcionamento das redes sociais no país.

A atuação das chamadas big techs se tornou ainda mais questionada em função das correntes de notícias falsas sobre ataques em escolas, que passaram a circular após dois atentados ocorridos em São Paulo e Blumenau.  O estudo, publicado nesta terça-feira, 25, mostrou  que 74% dos cidadãos acreditam que houve contribuição da falta de regulamentação das plataformas digitais para os recentes episódios.

Ao todo, foram entrevistadas 1600 pessoas de forma virtual, entre os dias 15 e 17 de abril. Segundo os números, 94% da população enxerga o ambiente das redes como inseguro para os jovens. “Os participantes favoráveis à regulação acreditam que a lei deve estabelecer normas para identificação de conteúdos violentos, garantia de privacidade dos usuários e proteção de crianças e adolescentes, dentre outros itens”, diz o relatório.

Leia mais: A carta aberta do Google a respeito do Projeto de Lei das Fake News

Continua após a publicidade

O PL 2630, lançado em 2020 após anos de extenso uso de notícias falsas em contexto político, pretende criar regras para a moderação de conteúdo nas plataformas digitais, discutir a transparência das redes e desenvolver mecanismos de investigação para troca de mensagens criptografadas.

O relator do projeto, deputado Orlando Silva (PCdoB), vai apresentar hoje seu parecer no Parlamento após quase três anos de debates. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), pretende aprovar um requerimento de urgência para que o texto seja votado no plenário sem passar por comissões temáticas.

Do outro lado, a Google lançou uma carta aberta onde alertou para o “risco da votação urgente” do PL. “É preciso haver mais tempo para a discussão”, escreveu Marcelo Lacerda, diretor de Relações Governamentais e Políticas Públicas do Google Brasil em comunicado lançado na sexta-feira, 21. Segundo a bigtech, a nova versão da proposta traz “dispositivos que não foram debatidos pelo Congresso”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.