Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Organizadores de protesto culpam PM e black blocs por violência

Centrais sindicais e movimentos sociais dizem que mascarados se infiltraram no protesto e a PM agiu com truculência

Por Da redação
Atualizado em 24 Maio 2017, 23h23 - Publicado em 24 Maio 2017, 23h22

Os movimentos sociais e centrais sindicais que organizaram o protesto desta quarta-feira, em Brasília, contra o presidente Michel Temer e por eleições diretas, culpam a Polícia Militar e black blocs pelas cenas de violência e vandalismo na Esplanada dos Ministérios. Segundo a Secretaria de Segurança Pública e Paz Social do Distrito Federal, o protesto teve participação de 45.000 pessoas e terminou com 49 feridos (41 manifestantes e 8 policiais), um deles baleado, e oito presos. Enquanto vândalos e PMs entravam em confronto,  Temer decretou ação de Garantia da Lei e da Ordem, medida em que ordena às Forças Armadas e à Força Nacional de Segurança Pública que patrulhem as ruas do Distrito Federal até o dia 31 de maio.

Líder da Central de Movimentos Populares (CMP), Raimundo Bonfim afirma que “a polícia, como sempre, iniciou [a confusão] para conter parte dos manifestantes que chegaram perto da barreira combinada”. Sobre a depredação em onze prédios de ministérios, que envolveu princípios de incêndio nas pastas da Agricultura, Integração Nacional, Cultura e Planejamento, Bonfim pondera que “black blocs são autônomos, vão para os atos e não pedem licença, não tem comunicação nem contato nenhum”.

Por meio de nota assinada por seu presidente, o deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SD-SP), a Força Sindical adota o mesmo discurso ao rechaçar “a infiltração de black blocs”, classificá-los como “baderneiros” e atacar a polícia. “Igualmente atribuímos ao despreparo da Polícia Militar de Brasília grande parte da responsabilidade pelas cenas lamentáveis de depredação do patrimônio público. Em lugar de prender bandidos comuns e qualificados, de máscara ou de colarinho branco, infelizmente essa polícia se especializa em atacar trabalhadores e trabalhadoras”, diz a central sindical.

A Frente Brasil Popular, que abarca cerca de 70 movimentos sociais, incluindo MST e CUT, também diz por meio de nota que “o uso das Forças Armadas, de bombas de gás lacrimogêneo e bala de borracha demonstra a atual fraqueza do governo de Michel Temer e seus aliados, ainda mais instável após as inúmeras denúncias de corrupção que envolvem o próprio presidente”.

Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e da Frente Povo Sem Medo, publicou um vídeo no Facebook em que explica de maneira menos evasiva a depredação em Brasíia. “Estão usando como argumento ataques a ministérios. Agora, as pessoas chegam pacificamente numa manifestação, a polícia reage com porrada, bomba, de maneira sistemática… é evidente que terá reações”, diz ele.

Continua após a publicidade

De acordo com a SSP, três manifestantes foram presos por porte de drogas e porte de arma branca, um por porte de arma branca, dois por resistência e pichação, um por lesão corporal e resistência e um por desacato, todos encaminhados ao Departamento de Polícia Especializada (DPE). Ainda de acordo com a Secretaria de Segurança, um dos militantes se feriu ao tentar atingir um policial com um rojão, que explodiu em suas mãos.

Durante o conflito foram registradas imagens de pelo menos dois PMs empunhando armas de fogo. Uma pessoa foi baleada e, segundo a SSP, não corre risco de vida. Um vídeo publicado pelo site do jornal O Globo mostra um dos agentes indo de encontro aos manifestantes e atirando para o alto seguidas vezes. Outro, também armado, atira em direção aos militantes. A Secretaria de Segurança afirma que abrirá inquérito para investigar a conduta dos PMs que usaram suas armas no conflito. “Este procedimento não é adotado em manifestações. Os incidentes e as responsabilidades serão apuradas”, diz a pasta.

Por meio de nota, o governador Rollemberg  afirma que “a Polícia Militar do Distrito Federal agiu de acordo com o Protocolo Tático Integrado, assinado pelos governos federal e distrital, no mês passado, em que a segurança dos prédios públicos federais ficou sob a responsabilidade da União. Em todas as 151 manifestações nos últimos dois anos, as forças de segurança federal e distrital agiram de maneira integrada e colaborativa. Em todas as ocasiões a Polícia Militar agiu com eficácia e eficiência, demonstrando estar plenamente apta ao regular desempenho de sua missão constitucional. Eventuais excessos serão rigorosamente apurados”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.