Clique e assine a partir de 9,90/mês

Obras de arte de Edemar Cid Ferreira vão a leilão

As 48 peças que serão vendidas no exterior valem 4,3 milhões de reais

Por Bela Megale - 3 mar 2015, 22h05

Quarenta e oito obras de arte, avaliadas cada uma entre 12.000 e 300.000 reais, que decoram a casa do ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira, ex-dono do Banco Santos, liquidado em 2004, vão a leilão nos próximos dois meses. A decisão foi determinada pelo juiz da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais Paulo Furtado de Oliveira Filho, em despacho emitido em 23 de fevereiro.

Entre as peças, há obras de artistas como o brasileiro Vik Muniz, o chileno Claudio Bravo e o americano David Salle. Os valores foram determinados por um perito contratado pela administração da massa falida que gerencia os bens que eram de Edemar e suas empresas. Segundo a avaliação enviada ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, as obras valem aproximadamente 4,3 milhões de reais no total. As peças serão comercializadas fora do Brasil. O administrador da massa falida, Vânio Aguiar, entrou em contato nesta semana com as casas de leilões Sotheby´s e Cristie´s para que ambas avaliem as obras que serão vendidas no exterior. As duas casas terão trinta dias para fazer suas ofertas e o leilão deve acontecer no mês seguinte.

O perito avaliou ao todo 969 itens que estão na mansão do ex-banqueiro, localizada no Morumbi, na Zona Sul de São Paulo. Chegou a um total de 24,7 milhões de reais em obras de arte, mobílias e utras peças. Além das 48 indicadas para comercialização inicial no exterior, por ter maior potencial de mercado, ele concluiu 46 devem ser vendidas juntamente com a residência e outras 875 que serão oferecidas ao mercado nacional. O juiz determinou também o valor da mansão do ex-banqueiro em 116,56 milhões de reais. Mas o imóvel só poderá ir à venda depois da finalização dos processos envolvendo a reavaliação das peças que serão vendidas com a casa e no mercado brasileiro, que deve acontecer em três meses.

Leia também:

MPF denuncia ex-controlador do Banco Santos por sonegação

Ex-controlador do Banco Santos torna-se réu por lavagem de dinheiro

Suspeita contra Sarney no caso do Banco Santos chega ao STF

Hall da mansão do ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira, no Morumbi, após a desocupação do controlador do extinto Banco Santos - 26/01/2011
Hall da mansão do ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira, no Morumbi, após a desocupação do controlador do extinto Banco Santos – 26/01/2011 VEJA
Continua após a publicidade
Publicidade