Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Morreu patriarca copta do Egito

O patriarca copta do Egito, Shenouda III, líder espiritual da maior comunidade cristã do Oriente Médio, morreu aos 88 anos, anunciaram a televisão estatal e fontes eclesiásticas este sábado.

O patriarca, nascido em agosto de 1923, teve problemas de saúde nos últimos anos e recentemente deixou de receber tratamento contra uma insuficiência hepática e os tumores que tinha nos pulmões, porque estava muito fraco, informou a Igreja copta.

“Os últimos dias foram os mais difíceis na vida do papa; era incapaz de caminhar”, destacou um comunicado citado pela agência oficial MENA.

Os líderes muçulmanos do país logo enviaram suas condolências.

A morte de Shenouda é “uma calamidade que entristece todo o Egito e seu nobre povo, muçulmanos e cristãos”, disse o mufti do país, Ali Gomaa, em um comunicado.

O Partido da Liberdade e Justiça, da Irmandade Muçulmana, majoritário no Parlamento, enviou suas condolências aos coptas e disse que Shenouda desempenhou um papel importante no Egito.

O Vaticano se juntou “ao pesar e às orações dos cristãos” pela morte do patriarca, informou em uma declaração à imprensa, o porta-voz da Santa Sé, o padre Federico Lombardi.

Acrescentou que o papa Bento XVI “foi informado e se une espiritualmente às orações” para Shenouda e expressou o desejo de que o “Senhor acolha este grande pastor”.

Eleito primaz da Igreja copta ortodoxa em 1971 e 117º sucessor do evangelista e fundador São Marcos, liderou com autoridade sua comunidade em meio a um progressivo crescimento dos islamitas na sociedade egípcia.

Durante 40 anos, passou do confronto a uma atitude conciliadora com o poder no Egito. Nos últimos anos teve que enfrentar, além disso, o aumento da violência contra os coptas, que se traduziu em atentados e enfrentamentos sangrentos.

Depois de sua entronização, suas relações com o falecido presidente Anuar al Sadat se deterioraram rapidamente, já que o patriarca dos coptas se opôs com firmeza à normalização das relações do Egito com Israel e os flertes do presidente com os islamitas. Essa oposição o levou a ser destituído e posto sob prisão domiciliar em 1981.

Em 1985 foi restabelecido como chefe da Igreja copta por decreto do presidente Hosni Mubarak, de quem nunca retirou seu apoio. A revolta popular do começo de 2011 o pegou desprevenido, quando muitos de seus fiéis saíram às ruas para exigir a saída de Mubarak, que finalmente renunciou dia 11 de fevereiro do ano passado depois de trinta anos no poder.

Shenouda deixa uma comunidade inquieta com o fortalecimento dos partidos islamitas, que obtiveram três quartos dos assentos do Parlamento nas últimas eleições legislativas.

Os coptas do Egito são uma minoria geralmente estimada entre 6 e 10% dos 82 milhões de egípcios. A Igreja copta fala em 10 milhões de fiéis.

A Igreja copta é uma das igrejas orientais ortodoxas que não reconhece a primazia do Papa de Roma nem a do patriarcado ortodoxo de Constantinopla. Constitui a maior comunidade cristã do Oriente Médio.